saridon


RESULTADOS: 4

  •     FARMA DELIVERY
  •      SARIDON
  •      Apresentação: 250 MG + 150 MG + 50 MG COM DISP BL AL PLAS INC X 100 (EMB MULT)
  •      Princípio Ativo: PROPIFENAZONA...
  •      Fabricante: BAYER S.A.
  •      Categoria: Referência
  •      EAN:  7891106006446
     
    PMC: 
  •      R$ 5.09
     
  •     AGILLE MEDICAMENTOS
  •      SARIDON
  •      Apresentação: 250 MG + 150 MG + 50 MG COM CT BL AL PLAS INC X 20
  •      Princípio Ativo: PROPIFENAZONA...
  •      Fabricante: BAYER S.A.
  •      Categoria: Referência
  •      EAN:  7891106006460
     
    PMC: 
  •      R$ 18.34
     
  •     FARMA 22
  •      SARIDON
  •      Apresentação: 250 MG + 150 MG + 50 MG COM CT BL AL PLAS INC X 20
  •      Princípio Ativo: PROPIFENAZONA...
  •      Fabricante: BAYER S.A.
  •      Categoria: Referência
  •      EAN:  7891106006460
     
    PMC: 
  •      R$ 18.85
     
  •     DROGARIA PRIMUS
  •      SARIDON
  •      Apresentação: 250 MG + 150 MG + 50 MG COM CT BL AL PLAS INC X 20
  •      Princípio Ativo: PROPIFENAZONA...
  •      Fabricante: BAYER S.A.
  •      Categoria: Referência
  •      EAN:  7891106006460
     
    PMC: 
  •      R$ 21.95
     



 INFORMAÇÕES DO MEDICAMENTO


PROPIFENAZONA


Para que serve o Paracetamol + Propifenazona + Cafeína

Paracetamol + Propifenazona + Cafeína (substância ativa) é indicado para o alívio da dor de cabeçador de dente e das dores e febre associadas aos resfriados e a gripe.

Contraindicação do Paracetamol + Propifenazona + Cafeína

Este medicamento é contraindicado para indivíduos com hipersensibilidade conhecida a qualquer um dos seus componentes; alergia as pirazolonas ou compostos relacionados (hipersensibilidade a fenazona, propifenazona, aminofenazona e produtos contendo metamizol/dipirona); alergia a produtos que contenham fenilbutazona; conhecida hipersensibilidade ao paracetamol, ácido acetilsalicílico ou alergia comprovada à cafeína.

Este medicamentoé contraindicado para indivíduos com porfiria aguda e deficiência de glicose-6-fosfato desidrogenase (G6PD).

Atenção especial deve ser considerada (diminuição/espaçamento das doses) nos seguintes casos

  • Alteração da função hepática (por exemplo: abuso crônico de álcool ou hepatites);
  • Alteração da função renal;
  • Síndrome de Gilbert (icterícia benigna intermitente secundária a deficiência de glucoronil transferase);
  • Disfunção hematopoiética.

Estudos em animais com paracetamol ou propifenazona não demonstraram evidências de efeitos teratogênicos. Este medicamento não deve ser utilizado durante a gestação, especialmente nos três primeiros meses, nas últimas seis semanas de gravidez e durante a amamentação.

Especial precaução é necessária nos indivíduos com asmarinite ou urticária crônica, especialmente naqueles com hipersensibilidade a outros agentes anti-inflamatórios.

Não use outro produto que contenha paracetamol.

Como usar o Paracetamol + Propifenazona + Cafeína

Adultos

Tomar de um a dois comprimidos a cada oito horas. A posologia diária não pode ultrapassar 3 vezes ao dia.

O comprimido deve ser tomado com água ou outro líquido.

Este medicamento deve ser administrado por mais de uma semana ou em doses superiores às recomendadas exceto sob supervisão médica.

Reações Adversas do Paracetamol + Propifenazona + Cafeína

Relatos isolados de crises de asma e choque anafilático associados ao uso de preparações contendo a associação propifenazona e paracetamol foram reportados.

Reações alérgicas (rash cutâneo, urticária) têm sido ocasionalmente relatadas após a administração de este medicamento.

Muito raramente reações de hipersensibilidade, como prurido, eritema, urticária, angioedema, dispneia ou asma foram reportadas, com relatos isolados de reações anafilactoides. Há relatos de casos isolados de trombocitopenia, leucopenia, agranulocitose e pancitopenia associadas ao uso de paracetamol e propifenazona.

Há relatos na literatura científica de que desordens psiquiátricas podem ocorrer, devido à cafeína e, a qual em altas doses (acima de 250 mg/dia), pode produzir desordens nervosas. A suspensão do uso de cafeína pode provocar cefaleia (cefaleia de rebote).

Desta forma, as reações adversas mais importantes podem ser classificadas por ordem de gravidade

Casos não graves

Prurido, eritema e urticária.

Casos graves

Angioedema.

Casos muito graves

Dispneia, asma, reações anafilactoides, choque anafilático, trombocitopenia, leucopenia, agranulocitose e pancitopenia.

Interação Medicamentosa do Paracetamol + Propifenazona + Cafeína

Os medicamentos que retardam o esvaziamento gástrico, como a propantelina, podem diminuir a velocidade de reabsorção do paracetamol e retardar o início de ação. Ao acelerar o esvaziamento gástrico, como após o uso de metoclopramida, a velocidade de reabsorção é mais alta.

A eliminação deste medicamento pode ser prolongada, com um maior risco de toxicidade, quando associado ao cloranfenicol.

A cafeína é um antagonista de muitas substâncias sedativas como barbitúricos, anti-histamínicos, etc. A cafeína aumenta a taquicardia provocada por simpatomiméticos, tiroxina, etc. Sua interação com substâncias com amplo espectro de ação (benzodiazepínicos) pode se manifestar de diversas formas imprevisíveis.

Os anticoncepcionais orais, a cimetidina e o dissulfiram diminuem o metabolismo da cafeína, enquanto que os barbitúricos e o tabagismo aceleram o metabolismo.

A cafeína aumenta a potência de substância como a efedrina.

A administração simultânea de alguns inibidores da girase pode prolongar a eliminação da cafeína e de seu metabólito paraxantina.

A cafeína pode reduzir a eliminação da teofilina.

O citocromo P450 1A2 (CYP1A2) é conhecido como a principal enzima envolvida no metabolismo da cafeína. Portanto, a cafeína tem um alto potencial de interação com as substâncias que são substrato para CYP1A2.

O uso concomitante de cafeína com antiarrítmicos pode reduzir a eliminação da cafeína.

Há relatos de que a fluvoxamina (antidepressivo) reduz significativamente a depuração e prolonga a meia-vida de eliminação da cafeína.

A frequência de neutropenia é maior quando o paracetamol e a zidovudina (AZT) são administrados simultaneamente, portanto, este medicamento deve ser utilizado somente sob recomendação médica nestes casos.

O uso concomitante com drogas que estimulam a atividade hepática como alguns hipnóticos, antiepiléticos (fenobarbitalfenitoínacarbamazepina) e rifampicina pode potencializar a toxicidade hepática do paracetamol.

O paracetamol (ou seus metabólitos) interfere com as enzimas da vitamina K envolvidas na síntese dos fatores de coagulação. Interações entre o paracetamol, varfarina ou derivados cumarínicos podem levar a uma elevação dos níveis normais e levar a um risco de sangramento. Pacientes em uso de anticoagulantes orais não devem, portanto, fazer uso do paracetamol por períodos prolongados sem supervisão médica.

O tripisetron, granisetron, antagonista da 5-hidroxitriptamina tipo 3, podem inibir totalmente o efeito analgésico do paracetamol através de uma interação farmacodinâmica.

É melhor evitar a terapia concomitante com mais medicamentos para o alivio da dor. Existem pequenas evidências do benefício extra para o paciente e, a incidência de reações adversas geralmente é aditiva.

O uso concomitante deste medicamento com bebidas ou outros medicamentos que contenham cafeína deve ser evitado.

Precauções do Paracetamol + Propifenazona + Cafeína

Este medicamento não deve ser administrado por mais de uma semana ou em doses superiores às recomendadas exceto sob supervisão médica.

Este medicamento não deve ser administrado em concomitância com outros produtos que contenham paracetamol.

O uso contínuo de analgésicos para o tratamento da cefaleia pode levar a cefaleia crônica.

O uso regular deste medicamento por períodos prolongados, por indivíduos tratados com anticoagulantes orais deve ser conduzido sob supervisão médica.

O uso prolongado de analgésicos que contenham paracetamol pode provocar efeito dose-cumulativo, e em raras situações levar a nefropatia analgésica e insuficiência renal irreversível.

Este medicamento deve ser utilizado com cautela em pacientes com dor nas costas crônica, problemas cardiovasculares como hipertensão e arritmias, e com úlceras ou predisposições a perfuração gastrintestinal.

Gravidez e lactação

Estudos em animais com paracetamol ou propifenazona não demonstraram evidências de efeitos teratogênicos. Este medicamento não é recomendado durante a gravidez, especialmente nos três primeiros meses e nas últimas seis semanas assim como durante a amamentação.

Categoria de risco na gravidez C.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Uso em idosos, crianças e outros grupos de risco

Este medicamento não deve ser utilizado por crianças e adolescentes menores de 18 anos.

Ação do Paracetamol + Propifenazona + Cafeína

Resultados de Eficácia

A análise estatística de 8 estudos envolvendo 500 pacientes demonstrou que este medicamento apresenta maior eficácia analgésica e mais rápido início de ação quando comparado com paracetamol, ácido acetilsalicílico, ibuprofeno e placebo.

Características Farmacológicas

Propriedades Farmacodinâmicas

Este medicamento contém paracetamol e propifenazona, ambos com propriedades analgésicas e antipiréticas, associado a uma baixa dose de cafeína. Seu efeito analgésico tem início em até 30 minutos da administração oral e se mantém por um período de várias horas.

A propifenazona, derivado pirazolônico, é um analgésico não-esteroidal com propriedades analgésicas, antipiréticas e fraco efeito anti-inflamatório. Embora o mecanismo de ação não tenha sido totalmente esclarecido, a inibição da ciclooxigenase parece estar envolvida.

O paracetamol é um derivado para-aminofenol, inibidor da síntese de prostaglandina e tem propriedades analgésicas, antipiréticas e fraco efeito anti-inflamatório.

A cafeína é uma metilxantina que, como a teofilina, tem uma variedade de ações: ela inibe a enzima fosfodiesterase e tem efeitos antagonistas aos receptores centrais de adenosina. Esta sua capacidade é usada como leve estimulante do Sistema Nervoso Central que pode induzir um estado de vigília e aumentar a atividade mental. As propriedades broncodilatadoras e diuréticas são mais fracas que da teofilina. 

Propriedades Farmacocinéticas 

A eficácia analgésica de Paracetamol + Propifenazona + Cafeína (substância ativa) é suportada por dados clínicos que demonstram que a cafeína aumenta a eficácia analgésica da propifenazona e paracetamol, assim como o paracetamol parece aumentar a eficácia analgésica da propifenazona. 

A ingestão da associação de paracetamol e propifenazona eleva os níveis plasmáticos de propifenazona, mas não os de paracetamol, sugerindo que o paracetamol interfere nos níveis de propifenazona. 

A absorção de paracetamol e propifenazona foi estudada em 8 homens saudáveis voluntários para avaliar potenciais na farmacocinética após a administração da associação e dos componentes isoladamente. Neste estudo cruzado de três vias, os voluntários receberam em intervalos semanais, 250 mg de paracetamol (tratamento A), 150 mg de propifenazona (tratamento B) e 250 mg de paracetamol + 150 mg de propifenazona (tratamento C). Amostras plasmáticas foram colhidas nos intervalos apropriados após a administração oral de cada um dos tratamentos propostos e avaliados por HPLC (cromatografia líquida de alta performance).

Os principais resultados da farmacocinética estão sintetizados na tabela a seguir: 

½ = meia-vida de eliminação do fármaco.
ASC = área sob a curva.
Cmax = pico de concentração máxima do fármaco.
Tmax = tempo para atingir o pico de concentração máximo do fármaco. 
Onde: 
A = 250 mg de paracetamol.
B = 150 mg de propifenazona.
C = 250 mg de paracetamol + 150 mg de propifenazona. 

Não houve diferenças significativas (p>0,05) de tmax entre os grupos de tratamento. A administração da associação, não interferiu significativamente (p>0,05) na farmacocinética do paracetamol. Entretanto, Cmax, ASC e t ½ da propifenazona foram significativamente maiores (p<0,05) após a administração concomitante com paracetamol do que quando administrada isoladamente. Estes achados justificam o aumento de eficácia da associação. Estes resultados levam a concluir que o paracetamol afeta os níveis plasmáticos de propifenazona no sentido de sinergismo. 

Um estudo biofarmacêutico com Paracetamol + Propifenazona + Cafeína (substância ativa) como comprimidos (idêntico aos comercializados) e como solução foi realizado em seis voluntários sadios. Os principais resultados foram os seguintes no plasma, os valores de Cmax de cada componente foram alcançados em ½ - 1 hora. A biodisponibilidade relativa (comprimido versus solução) foi de 1 ± 0,10 em média para todos os três componentes, demonstrando a bioequivalência do comprimido. A meia-vida de eliminação apresentou-se dentro dos seguintes valores: 1,8-2,8 h para o paracetamol, 1,0-1,7 h para a propifenazona e 3,3-8,2 h para a cafeína. 

A associação de paracetamol e cafeína aumenta a taxa de absorção e a ASC de paracetamol. A influência da cafeína (60 mg) na farmacocinética do paracetamol foi estudada em 10 voluntários sadios em um desenho cruzado. A cafeína provocou um aumento significativo na Cmax (p<0,05), ASC e ASCM (p<0,01) e um significativo decréscimo na depuração do paracetamol (p<0,05). 

Um estudo cruzado de quatro vias, duplo-cego e placebo controlado, tinha por objetivo determinar o efeito analgésico e os dados farmacocinéticos de paracetamol comparado a uma associação de cafeína e paracetamol e cafeína isoladamente. Vinte e quatro indivíduos foram tratados por via oral com 1000 mg de paracetamol, 130 mg de cafeína e uma combinação de ambos. A análise farmacocinética demonstrou que a cafeína acelera a absorção do paracetamol, conforme indicado por uma precoce e acentuada ASC. 

A cafeína não influencia os níveis plasmáticos de propifenazona. 

Um estudo avaliou se o efeito analgésico e os parâmetros farmacocinéticos da propifenazona eram influenciados pela administração concomitante de cafeína. Vinte indivíduos sadios participaram deste estudo placebo controlado, randomizado, duplo cego e desenho cruzado cinco vezes com várias doses de propifenazona e cafeína. A cafeína não influenciou significativamente os níveis plasmáticos de propifenazona.

Interação Alimentícia do Paracetamol + Propifenazona + Cafeína

O abuso de álcool associado ao paracetamol, mesmo em doses terapêuticas, pode resultar em danos hepáticos.



Assine nossa newsletter e receba as melhores promoções e ofertas de sua região




SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, PROCURE ORIENTAÇÃO DO FARMACÊUTICO OU DE SEU MÉDICO. LEIA A BULA.



Todas as informações contidas nesse site tem a intenção de informar e educar, não pretendendo de forma alguma substituir as informações e orientações do profissional da saúde ou servir como recomendação para algum tratamento, não administre qualquer tipo de medicamento sem consultar o seu médico ou farmacêutico.