sabofen


RESULTADOS: 0

Não foram encontrados resultados.



 INFORMAÇÕES DO MEDICAMENTO


IODOPOVIDONA


Para que serve o Iodopolividona

O Iodopolividona (substância ativa) é indicado para a antissepsia da pele e/ou do couro cabeludo.

O uso deste produtdo é recomendado na limpeza das mãos e ferimentos leves; como auxiliar na prevenção e tratamento de afecções cutâneas (furúnculos, acnes, impetigos, dermatites infecciosas e dermatomicoses superficiais); na higienização do corpo (banho), reduzindo odores fortes provenientes da carga microbiana da pele e como antisséptico da mucosa vaginal.

Contraindicação do Iodopolividona

Iodopolividona (substância ativa) é contraindicado a pacientes com hipersensibilidade ao iodo.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Como usar o Iodopolividona

É recomendado molhar as mãos ou área desejada, com água limpa, friccionar com Iodopolividona (substância ativa) até formar espuma, espalhar uniformemente a espuma, deixando-a em contato com a pele por algum tempo que pode variar de 30 segundos (degermação leve) a 5 minutos (degermação profunda). Enxaguar abundantemente com água corrente. Repetir a aplicação 2 a 3 vezes ao dia ou a critério médico.

Reações Adversas do Iodopolividona

Raramente podem ocorrer reações de hipersensibilidade ao iodo presente no Iodopolividona (substância ativa), resultando em erupções cutâneas, que podem variar desde reação eczematosa branda até uma dermatite esfoliativa.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária – NOTIVISA ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Interação Medicamentosa do Iodopolividona

A absorção do iodo contido na Iodopolividona (substância ativa) pode interferir em testes da função tireoidiana.

Precauções do Iodopolividona

O Iodopolividona (substância ativa) é somente para uso externo e deve ser evitado o contato com os olhos.

Em casos de ferimentos profundos ou queimaduras graves, administrar com cautela, principalmente em gestantes e neonatos, devido à possibilidade do iodo ser absorvido e interferir no metabolismo e função tireoidiana.

Ação do Iodopolividona

Resultados de eficácia

A Iodopolividona (substância ativa) tem um longo histórico de uso na antissepsia da pele e membranas mucosas, bem como no tratamento de pequenos ferimentos (1,2,3). Esse iodóforo possui ação germicida sobre bactérias gram-positivas e gram-negativas, fungos vírus. Diversos estudos demonstram que a Iodopolividona (substância ativa) em baixas concentrações (0,1 a 1%) é eficaz contra diversas cepas bacterianas e virais (3,7). A Iodopolividona (substância ativa) pode ser utilizada, na concentração de 7 mg/g, como sabonete antisséptico da pele e couro cabeludo, em diversas situações em que a antissepsia da pele é requerida. A ação antisséptica do produto Iodopolividona (substância ativa) foi avaliada através de um ensaio clínico, duplo cego, aleatorizado e comparativo com um placebo, o qual demonstrou que o sabonete na concentração de 7 mg/g de Iodopolividona (substância ativa), reduziu ignificamente a contagem de microrganismos quando comparado à contagem inicial e ao placebo.

Características farmacológicas

A Iodopolividona (substância ativa) é um iodóforo resultante da complexação do iodo com o polímero polivinil pirrolidona, Este complexo, chamado polivinil pirrolidona iodo, possibilita maior estabilidade e liberação gradual do iodo, desempenhando ação germicida sobre bactérias gram-positivas e gram-negativas, fungos e vírus.

O mecanismo de ação da Iodopolividona (substância ativa) é semelhante ao do iodo, oxidando enzimas e proteínas essenciais ao metabolismo microbiano, bem como os ácidos graxos insaturados das membranas celulares destes microrganismos.



Assine nossa newsletter e receba as melhores promoções e ofertas de sua região




SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, PROCURE ORIENTAÇÃO DO FARMACÊUTICO OU DE SEU MÉDICO. LEIA A BULA.



Todas as informações contidas nesse site tem a intenção de informar e educar, não pretendendo de forma alguma substituir as informações e orientações do profissional da saúde ou servir como recomendação para algum tratamento, não administre qualquer tipo de medicamento sem consultar o seu médico ou farmacêutico.