rifamicina sv sodica


RESULTADOS: 0

Não foram encontrados resultados.



 INFORMAÇÕES DO MEDICAMENTO


RIFAMICINA SV SÓDICA


Para que serve o Rifamicina

Este medicamento é destinado ao tratamento tópico das infecções de superfície, causadas por microrganismos sensíveis à Rifamicina (substância ativa).

  • Ferimentos e feridas infectadas;
  • Queimaduras;
  • Furúnculos;
  • Piodermites;
  • Dermatoses infectadas;
  • Úlceras varicosas, pós-flebíticas, ateroscleróticas e diabéticas;
  • Dermatites eczematoides.
  • Curativos de feridas pós-cirúrgicas infectadas (adenites, panarícios, supurações de parede).

Contraindicação do Rifamicina

A Rifamicina (substância ativa) está contraindicada a pacientes com história de hipersensibilidade a qualquer Rifamicina (substância ativa) ou a outro componente da formulação.

Como usar o Rifamicina

Para aplicação dentro de cavidade ou para lavagem de cavidade após aspiração do conteúdo purulento, e possibilidade de limpeza com solução salina.

Para aplicação externa (para lesões, feridas ou furúnculos) ou para preparação de curativos ou compressas.

Pulverizar a área afetada a cada 6-8 horas, ou a critério médico.

Para uma aplicação eficaz, pressione repetidamente a válvula, mantendo o frasco em posição vertical (em pé).

A Rifamicina (substância ativa) pode ser associada com a administração de outros antibióticos sistêmicos.

Para Rifamicina (substância ativa) segue o procedimento de limpeza descrito abaixo:

 

Procedimento de Limpeza

Após o uso, limpe cuidadosamente o orifício do atuador com um lenço de papel ou pano limpo e recoloque a tampa.

Em caso de não funcionamento do spray, remova o atuador e mergulhe-o em água morna por alguns minutos, recoloque-o em seguida.

Pressione o atuador sobre o frasco conforme necessário, até que um pulverizado seja obtido e use normalmente.

Não há estudos dos efeitos de Rifamicina (substância ativa) administrado por vias não recomendadas. Portanto, por segurança e para garantir a eficácia deste medicamento, a administração deve ser somente por via tópica.

Atenção: não utilizar na cavidade oral.

Reações Adversas do Rifamicina

As frequencias estão classificadas como 

  • Reação muito comum (> 1/10);
  • Reação comum (> 1/100 e ≤ 1/10);
  • Reação incomum (> 1/1.000 e ≤ 1/100);
  • Reação rara (> 1/10.000 e ≤ 1/1.000);
  • Reação muito rara (≤ 1/10.000).

A Rifamicina (substância ativa) pode causar uma pigmentação predominantemente vermelho-alaranjada na pele e/ou fluidos (incluindo pele, dentes, língua, urina, fezes, saliva, escarro, lágrimas, suor e fluido cerebroespinhal). Lentes de contato, dentes ou dentaduras podem tornar-se permanentemente manchados.

Têm sido relatados raros casos de reações dolorosas ou alérgicas no local de aplicação.

Em casos excepcionais, tem sido relatada a possibilidade de reações severas de hipersensibilidade sistêmica incluindo choque ou reações anafiláticas, após a aplicação tópica em lesões cutâneas contínuas ou outras regiões do corpo.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária NOTIVISA ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal. 

Interação Medicamentosa do Rifamicina

Têm sido relatadas interações com anticoagulantes, ciclosporina e contraceptivos orais com uso sistêmico de Rifamicina (substância ativa); também foi observada interação com ciclosporina no tratamento tópico com Rifamicina (substância ativa).

Pacientes utilizando contraceptivos hormonais por via oral ou outras vias sistêmicas devem ser advertidos a alterarem para métodos contraceptivos não-hormonais durante o tratamento com Rifamicina (substância ativa).

Precauções do Rifamicina

A Rifamicina (substância ativa) contém metabissulfito de sódio. Em pessoas suscetíveis, particularmente em asmáticos, esta substância pode causar reações alérgicas e crises asmáticas severas.

Superinfecção

Assim como ocorre com outros antibióticos, o uso prolongado de Rifamicina (substância ativa) pode resultar no crescimento concomitante de organismos não-suscetíveis (particularmente estafilococos). Avaliação repetida das condições do paciente é essencial. Se ocorrer superinfecção, o tratamento deve ser interrompido e medidas terapêuticas apropriadas devem ser aplicadas.

A administração de Rifamicina (substância ativa) deve ser restrita a um período de tempo limitado e, sempre que possível, o tratamento deve ser realizado com baixas doses e alternado com outros agentes terapêuticos.

Evitar aplicação em áreas extensas, próximo ao interior do ouvido ou em contato com tecido nervoso.

Atenção: não utilizar na cavidade oral.

Gravidez e lactação

Categoria de risco na gravidez: C.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica.

A Rifamicina (substância ativa) deve ser utilizada durante a gravidez somente se o benefício potencial justificar o risco potencial para o feto. Não são conhecidos dados que contraindiquem o uso de Rifamicina (substância ativa) durante a amamentação.

Pacientes Idosos

Não há advertências e recomendações especiais sobre o uso adequado desse medicamento por pacientes idosos.

Alterações na capacidade de dirigir veículos e operar máquinas

A Rifamicina (substância ativa) não interfere na capacidade de dirigir ou operar máquinas.

Ação do Rifamicina

Resultados da eficácia

Carreras H.C. e Borsotto C.,1981 comprovaram a eficácia de Rifamicina (substância ativa) (Rifamicina (substância ativa) S.V. sódica) em 50 pacientes com queimaduras, sendo que 47 pacientes apresentaram infecções no local das mesmas.

Rifamicina (substância ativa) Spray apresentou diminuição de infecções locais e não sendo observadas reações locais. Armond S., 1973 em seu estudo, envolveu 18 pacientes.

Em seus comentários sobre indicações do uso de Rifamicina (substância ativa) Spray, como furunculose, dermatoses, úlceras varicosas, eczemas microbianos, abscessos, dermatites eczematóides, classifica-os como patologias que foram tratadas com Rifamicina (substância ativa) e classificadas como resultados ótimo e bom, na quase totalidade de tratamentos.

Vega H.C. e Vestidelo S., 1983 em seu estudo confirmou também a eficácia de Rifamicina (substância ativa) no tratamento de 160 pacientes que apresentavam queimaduras e lesões ulceradas de pele. O índice de cura foi de 98,7%, a tolerabilidade foi excelente e não foram observadas reações adversas.

Gonzalez C.J. et al., 1981 comprovou a eficácia de Rifamicina (substância ativa) em queimaduras, em seu estudo com 25 pacientes com queimaduras de pele, sendo confirmada a rápida recuperação dos mesmos sem a presença de intolerância ao medicamento.

Manzano R. et al., 1974 confirmou também a eficácia de Rifamicina (substância ativa) em seu estudo publicado onde seus 25 pacientes com queimaduras de pele que foram tratados com a Rifamicina (substância ativa) spray, apresentaram acelerada epitelização da pele (média 5 dias) e excelente tolerância a medicação.

Características Farmacológicas

A Rifamicina (substância ativa) é um antibiótico de elevado poder bactericida, com atividade tanto contra germes Gram- positivos como Gram-negativos quando em uso local. Atua particularmente nas infecções que não respondem ao emprego de outros antibióticos e mesmo nas causadas pelos estafilococos penicilino-resistentes.



Assine nossa newsletter e receba as melhores promoções e ofertas de sua região




SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, PROCURE ORIENTAÇÃO DO FARMACÊUTICO OU DE SEU MÉDICO. LEIA A BULA.



Todas as informações contidas nesse site tem a intenção de informar e educar, não pretendendo de forma alguma substituir as informações e orientações do profissional da saúde ou servir como recomendação para algum tratamento, não administre qualquer tipo de medicamento sem consultar o seu médico ou farmacêutico.