pielograf


RESULTADOS: 0

Não foram encontrados resultados.



 INFORMAÇÕES DO MEDICAMENTO


DIATRIZOATO DE MEGLUMINA


Para que serve o Diatrizoato de Meglumina

A substânia ativa presente neste medicamento é um meio de contraste iodado indicado em exames por imagem com raios-X excetuando-se mielografia e procedimentos cardiológicos.

Contraindicação do Diatrizoato de Meglumina

Contra indicado para pacientes portadores de mieloma múltiplo, insuficiência cardíaca descompensada, hipertireoidismo manifesto, asmáticos e pacientes com algum tipo de alergia. A injeção intravascular do meio de contraste iodado deve ser feita com especial cautela em casos de insuficiência renal ou hepática grave. Nesta situação deve-se considerar a substituição por um método diagnóstico que não implique em agravamento da função renal.

Este medicamento não é indicado para realização de mielografia.

Gravidez e lactação

Classificado na categoria B: Os estudos em animais não demonstraram risco fetal, mas também não há estudos controlados em mulheres grávidas.

Não tem sido observados efeitos teratogênicos atribuíveis aos diatrizoatos nos estudos de reprodução. Risco comprovado para o feto é a exposição aos raios-X. Caso o produto seja utilizado por mulheres em aleitamento recomenda-se interrupção do mesmo por 24 horas após a injeção do meio de contraste.

ESTE MEDICAMENTO NÃO DEVE SER UTILIZADO POR MULHERES GRÁVIDAS SEM ORIENTAÇÃO MÉDICA OU DO CIRURGIÃO-DENTISTA. CLASSIFICADO NA CATEGORIA B.

Como usar o Diatrizoato de Meglumina

Este medicamento deve ser administrado sob condições assépticas à temperatura corporal, sendo recomendado o uso de banho maria ou calor seco pelo tempo suficiente de alcance de 37°C. Urografia excretora: Em pacientes com função renal normal, este medicamento é excretado principalmente pelos rins. O volume do meio de contraste deve ser injetado em bolo (até 3 minutos). A densidade radiográfica máxima nos calices e pelve renais ocorre entre 5 e 15 minutos ap6s a injeção deste medicamento na maioria dos casos. Nos pacientes com insuficiência renal a excreção do meio de contraste pode ser retardada ou mesmo não ocorrer.

A dose intravenosa usual para adultos com 70 kg ou mais é de 75 mL.

A dose para crianças e adultos com menos de 70 kg deve ser adequada em conformidade com a massa corpórea de cada individuo.
Até 06 meses: 3,2 - 4,3 mL/kg de massa corpórea.
06 meses a 10 anos: 2,1 mL/kg de massa corpórea.

Acima de 10 anos (até 30 kg): 1,1 mL/kg de massa corpórea.
Arteriografia periférica: Pacientes adultos com massa corp6rea maior que 70 kg, realizar a injeção em bolo de 22 a 55 mLpara aorta e iliacas e de 11 a 33 mLpara as ilíacas e femurais. A dose máxima cumulativa é de 275 mL.
Arteriografia renal seletiva: Pacientes adultos com massa corpórea maior que 70 kg, realizar a injeção em bolo de 4,5 a 11 mL.
Arteriografia visceral seletiva: A dose usual para adultos com massa corpórea maior que 70 kg, são de 22 a 44 mL, podendo ser repetida até uma dose cumulativa de 275 mL, se necessário. Tomografia computadorizada: Para adultos com massa corpórea maior que 70 kg, utilizar entre 35 e 110 mL do meio de contraste. Uma dose superior a 150 mL deve ser evitada. Para crianças corrigir a dose conforme massa corpórea utilizando a relação 1,0 a 3,0 mL/kg de peso, sugerindo-se 1,5 mL/kg.

Reações Adversas do Diatrizoato de Meglumina

Para uma indicação aproximada das incidências de reações adversas, consideramos:

  • Muito comum: > 10%
  • Comum (frequente): > 1% e < l0%
  • Incomum (Infrequente): > 0,1% e < 1%
  • Rara: > 0,01% e < 0,1%
  • Muito rara: < 0,01%

As reações com o uso do produto são idênticas às provocadas por outros contrastes injetáveis da mesma categoria, ou seja, náuseas, vômitos, prurido, rubor, calor e urticária que são reações leves e incidencia do tipo Muito Comum.
Excepcionalmente como reação incomum pode ocorrer vômitos mais severos, urticária intensa, broncoespasmo, edema facial, edema laringeo e reação vasovagal. Estas condições requerem tratamento de urgência com anti-histaminicos, corticosteróides, oxigênio, etc.
Deve-se estar atento às reações acima descritas, que podem ocorrer independentemente da quantidade administrada, pois podem ser os primeiros sinais de reações mais severas, do tipo Rara que são choque hipotensivo, convulsão, parada respiratória e cardíaca. Estas características são típicas de reações anafilactóides.
A maioria das reações ocorre em até 30 minutos após a injeção dos meios de contraste, sendo que eventualmente podem ocorrer reações tardias, mais de 60 minutos após injeção, que são leves e de caráter Muito rara.

A incidência de reações adversas em pacientes alérgicos pode ser até três vezes maior que população normal. Apesar dos pacientes com antecedentes alérgicos apresentarem maior risco de sofrerem reações aos meios de contraste, este fato por si só não contraindica absolutamente o seu uso. Pré-medicação com corticosteróides deve ser considerada nestes casos, pois pode evitar ou minimizar a ocorrência das reações.

Deve-se saber se o paciente seri submetido a alguma prova tireoidiana, uma vez que mesmo após algumas semanas e até meses, o iodo presente neste medicamento pode alterar os resultados do exame tireoidiano.
Os meios de contraste podem interferir em algumas determinações químicas rea1izadas na urina. Por isso, quando necessário, a urina deve ser coletada antes da administração ou dois dias após a injeção do contraste.

Conduta nas reações adversas: Em face da possibilidade de ocorrerem reações graves durante a administração de meios de contraste, deve-se ter disponivel centros de emergência e pessoal treinado para pronto atendimento.
Seguem algumas orientações gerais a respeito do tratamento das reações alérgicas, sem o intuito de oferecer um manual oompleto que se aplique a todas as situações. É recomendável que as instituições tenham seus próprios protocolos preestabelecidos.
Reações leves e moderadas: administração de anti-histamínicos é geralmente suficiente. Reações graves:

  • Monitoração dos sinais vitais.
  • Pedir ajuda imediata de profissionais experientes em atendimento de emergência.
  • Manter as vias aéreas pervias a garantir a ventilação.
  • Administrar oxigênio, se necessário.
  • Iniciar as manobras de ressuscitação se uma parada cardio-respiratória ocorrer.
  • Manter acesso venoso.
  • Considerar a utilização de adrenalina e corticosteróides.
  • Utilizar desfribilador e anti-arritmicos, se necessário.
  • Programar a transferência do paciente para uma unidde de terapia intensiva quando o paciente estiver estável.
  • Informe a empresa através do serviço de atendimento qualquer caso de eventos adversos ou outro problema relacionado ao medicamento.

Em casos de eventos adventos, notifique ao Sistema de Notificação em Vigilância Sanitária-NOTIVISA, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/notifvisa/index.htm, ou para Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Interação Medicamentosa do Diatrizoato de Meglumina

Este medicamento não deve ser misturado a qualquer outro medicamento ou substância, pois qualquer variação no pH, ou a introdução de sais metalicos, pode acarretar em precipitação.

A nefropatia diabética pode predispor a alteração renal quando da administração intravascular do meio de contraste. Isto pode precipitar uma acidose láctica em pacientes em tratamento com biguanidas. Como precaução, a administração de biguanidas deve ser suspensa 48 horas antes do exame com meio de contraste e reiniciada somente quando a função renal adequada estiver recuperada. Recomenda-se interromper 24 horas antes do exame o uso de outras drogas nefrotóxicas e diuréticos.

Precauções do Diatrizoato de Meglumina

A injeção de meios de contraste deve ser feito por médicos familiarizados em reconhecer precocemente e tratar adequadamente às reações alérgicas. Deve-se manter rigorosa atenção com os pacientes portadores de doença hepática ou renal grave, hipertireoidismo, insuficiência cardiocirculatória processos inflamatórios agudos na cavidade pélvica, diabetes e hist.6rico de convulsOes. De um modo geral, devem-se levar em consideração os pacientes propensos a diferentes manifesta es alérgicas (asma, urticárias, rinites, eczemas, sensibilidade a alguns alimentos que contem iodo, etc.), pois podem evidenciar diferentes graus de intolerância ao produto. Frente a uma reação adversa interrompa imediatamente a injeção para que uma avaliação adequada do paciente seja feita.

Gravidez e lactação - Classificado na categoria B: Os estudos em animais não demonstraram risco fetal, mas também não há estudos controlados em mulheres grávidas; ou então, os estudos em animais revelaram riscos, mas que não foram confirmados em estudos controlados em mulheres grávidas.

Não tem sido observados efeitos teratogênicos atribuíveis aos diatrizoatos nos estudos de reprodução. Risco comprovado para o feto é a exposição aos raios-X. Caso o produto seja utilizado por mulheres em aleitamento, recomenda-se interrupção do mesmo por 24 horas após a injeção do meio de contraste.

ESTE MEDICAMENTO NÃO DEVE SER UTILIZADO POR MULHERES GRÁVIDAS SEM ORIENTAÇÃO MÉDICA OU DO CIRURGIÃO-DENTISTA.
CLASSIFICADO NA CATEGORIA B.

Ação do Diatrizoato de Meglumina

Resultados de Eficácia

A eficácia de um meio de contraste depende não apenas das propriedades farmacológicas de sua molécula, mas principalmente de sua capacidade de atenuação de raios-X. A atenuação dos raios-X por um agente de contraste depende da concentração de iodo, da distância percorrida, pelo fóton de raios-X através da solução iodada e ainda da energia do fóton.

Características Farmacológicas

Farmacodinâmica

A substância ativa presente neste medicamento é um meio de contraste iodado iônico sob a forma de solução aquosa incolor e estéril. Os sais do ácido diatrizóico bloqueiam os raios-X quando atravessam o corpo, permitindo que as estruturas corpóreas que contêm iodo sejam evidenciadas ao contrário daquelas estruturas que não contem iodo. O grau de opacidade produzido por estes compostos orgânicos iodados é diretamente proporcional à quantidade (concentração e volume) do agente de contraste iodado na trajetória dos raios-X.

Características físico-químicas

  • Concentração de iodo: 280 mg/mL
  • Osmolalidade: 1,247 mOsm/Kg H20
  • Viscosidade (cP 37 C): 4,1

Farmacocinética

Após administração intravascular o produto é rapidamente distribuído no espaço extravascular e extracelular com baixa ligação a proteínas plasmáticas.
Não são observados metabólitos após administração das doses clinicas indicadas.



Assine nossa newsletter e receba as melhores promoções e ofertas de sua região




SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, PROCURE ORIENTAÇÃO DO FARMACÊUTICO OU DE SEU MÉDICO. LEIA A BULA.



Todas as informações contidas nesse site tem a intenção de informar e educar, não pretendendo de forma alguma substituir as informações e orientações do profissional da saúde ou servir como recomendação para algum tratamento, não administre qualquer tipo de medicamento sem consultar o seu médico ou farmacêutico.