ferriprox


RESULTADOS: 1

  •     ONCOEXPRESS
  •      FERRIPROX
  •      Apresentação: 500 MG COM REV CT FR PLAS OPC X 100
  •      Princípio Ativo: DEFERIPRONA...
  •      Fabricante: CHIESI FARMACÊUTICA LTDA
  •      Categoria: Referência
  •      EAN:  7896672202438
     
    PMC: 1698.9
  •      R$ 1980.00
     



 INFORMAÇÕES DO MEDICAMENTO


DEFERIPRONA


Para que serve o Deferiprona

Deferiprona (substância ativa) é indicado para o tratamento da sobrecarga de ferro em pacientes com talassemia major para os quais a terapia de quelação com a desferroxamina não é recomendada.

Contraindicação do Deferiprona

O produto é contraindicado nos casos de:

  • Hipersensibilidade ao ingrediente ativo ou a qualquer um dos excipientes;
  • História de episódios recorrentes de neutropenia (contagem muito baixa de neutrófilos – um dos tipos de glóbulos brancos);
  • História de agranulocitose (contagem muito baixa de glóbulos brancos < 0,5 x 109/L);
  • Gravidez;
  • Lactação.

Como não se conhece o mecanismo da neutropenia induzida pela Deferiprona (substância ativa) , Deferiprona (substância ativa) não deve ser tomado ao mesmo tempo com medicamentos que se saiba estar associado com neutropenia ou que possa causar agranulocitose, como por exemplo: interferona, cloranfenicolclozapina, aminopirina, fenilbutazonahidroxiureia e a associação trimetoprima/sulfametoxazol.

Não existem muitas informações sobre a reintrodução da terapia com Deferiprona (substância ativa) . Caso ocorra agranulocitose decorrente do uso desse medicamento, sua reintrodução é contraindicada.

Gravidez e lactação

As pacientes devem ser informadas para não utilizar este medicamento se estiverem grávidas, amamentando ou tentando engravidar, pois Deferiprona (substância ativa) pode afetar seriamente o bebê. Medidas anticoncepcionais devem ser tomadas durante tratamento com Deferiprona (substância ativa) .

Caso a paciente engravide na vigência do tratamento, o uso de Deferiprona (substância ativa) deve ser imediatamente interrompido.

Categoria “X” de risco de gravidez.

Em estudos em animais e mulheres grávidas, o fármaco provocou anomalias fetais, havendo clara evidência de risco para o feto que é maior do que qualquer benefício possível para a paciente.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas ou que possam ficar grávidas durante o tratamento.

Como usar o Deferiprona

Instruções de uso

É importante seguir corretamente as recomendações do seu médico.

O uso do produto deverá ser feito por via oral.

A quantidade de Deferiprona (substância ativa) que deve ser tomada depende do peso do paciente.

Normalmente é receitado para ser tomado em três doses: a primeira pela manhã, a segunda ao almoço e a terceira à noite.

Não é necessário tomar a medicação com a alimentação, mas recomenda-se tomar o medicamento às refeições como um método mais eficaz para não se esquecer de tomar qualquer dose.

Posologia

Uso em Adultos e Crianças a partir de 10 anos

A dose diária recomendada é de 75 mg/kg peso corpóreo, por via oral, ou seja, 25 mg/kg a cada 8 horas (3 vezes ao dia).

Isso representa que a cada 20 kg do seu peso corpóreo você deverá tomar 1 comprimido de Deferiprona (substância ativa) a cada 8 horas.

Crianças de 0 a 10 anos

Existem poucos dados disponíveis sobre o uso de Deferiprona (substância ativa) em crianças entre 6 e 10 anos de idade, e não há dados sobre o uso de Deferiprona (substância ativa) em crianças menores de 6 anos de idade.

Para obter uma dose de 75 mg/kg/dia, use o número de comprimidos sugeridos na tabela a seguir para o peso corporal do paciente.

Cada linha da tabela representa um incremento de 10 kg no peso corpóreo

Uma dose diária total superior a 100 mg/kg de peso corporal não é recomendada devido ao risco potencial de aumento das reações adversas.

Reações Adversas do Deferiprona

As reações adversas mais comuns relatadas durante a terapia com Deferiprona (substância ativa) em ensaios clínicos foram náusea; vômito; dor abdominal e cromatúria, que foram relatadas em mais de 10% dos pacientes.

A reação adversa mais grave notificada em ensaios clínicos com Deferiprona (substância ativa) foi agranulocitose, definido como uma contagem absoluta de neutrófilos inferior a 0,5 x 109/L, o que ocorreu em aproximadamente 1% dos pacientes. Episódios menos graves de neutropenia foram relatados em aproximadamente 5% dos pacientes.

A reação adversa mais grave relatada em ensaios clínicos com Deferiprona (substância ativa) é a agranulocitose (neutrófilos <0,5x109/L), com uma incidência de 1,1% (0,6 casos por 100 pacientes-anos de tratamento).

A incidência observada da forma menos grave de neutropenia (neutrófilos <1,5x109/L) é de 4,9% (2,5 casos por 100 pacientes-ano). Essa taxa deve ser considerada no contexto da elevada incidência de neutropenia em pacientes com talassemia, em particular naqueles com hiperesplenismo.

Episódios de diarreia, principalmente leve e transitória, têm sido relatados em pacientes tratados com Deferiprona (substância ativa).

Efeitos gastrointestinais são mais frequentes no início da terapêutica e resolvem-se, na maioria dos pacientes, dentro de algumas semanas, sem a necessidade de interrupção do tratamento.

Em alguns pacientes pode ser benéfica uma redução da dose de Deferiprona (substância ativa) e, após um intervalo, voltar a aumenta-la gradualmente até atingir a dose anterior. Casos de artropatia, que variaram de dor leve em uma ou poucas articulações até artrite grave com uma incapacidade significativa, também foram relatados em pacientes tratados com Deferiprona (substância ativa).

As artropatias leves são geralmente transitórias.

Aumento dos níveis de enzimas hepáticas tem sido relatado em alguns pacientes tomando Deferiprona (substância ativa). Na maioria desses pacientes, o aumento foi assintomático e transitório, e retornou ao valor basal sem interrupção ou diminuição da dose de Deferiprona (substância ativa).

Alguns pacientes tiveram progressão da fibrose associada a um aumento da sobrecarga de ferro ou hepatite C. Baixos níveis de zinco no plasma têm sido associados com Deferiprona (substância ativa) em uma minoria de pacientes. Os níveis normalizam-se com suplementação oral de zinco.

Alterações neurológicas (tais como sintomas cerebelares, diplopia, nistagmo lateral, desaceleração psicomotora, movimentos das mãos e hipotonia axial) têm sido observadas em crianças que receberam voluntariamente mais de 2,5 vezes a dose máxima recomendada de 100 mg/kg/dia, durante vários anos. Os distúrbios neurológicos regrediram progressivamente após a interrupção da Deferiprona (substância ativa).

Reação muito comum (≥ 1/10)

  • Náusea;
  • Dor abdominal;
  • Vômitos;
  • Cromatúria.

Reação comum (≥ 1/100 e < 1/10)

  • Neutropenia;
  • Agranulocitose;
  • Aumento do apetite;
  • Dor de cabeça;
  • Diarreia;
  • Artralgia;
  • Fadiga;
  • Aumento das enzimas hepáticas.

Reação cuja frequência é desconhecida

  • Reações de hipersensibilidade;
  • Rash cutâneo;
  • Urticária.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária – NOTIVISA, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Interação Medicamentosa do Deferiprona

Como não se conhece o mecanismo da neutropenia induzida pela Deferiprona (substância ativa), Deferiprona (substância ativa) não deve ser tomado ao mesmo tempo com medicamentos que se saiba estar associado com neutropenia ou que possa causar agranulocitose, como por exemplo: interferona, cloranfenicolclozapina, aminopirina, fenilbutazona, hidroxiureia e a associação trimetoprima/sulfametoxazol.

Não foram relatadas interações entre a Deferiprona (substância ativa) e outros medicamentos. No entanto, uma vez que a Deferiprona (substância ativa) se liga a cátions metálicos, existe a possibilidade de interações entre a Deferiprona (substância ativa) e medicamentos dependentes de cátions trivalentes como antiácidos à base de alumínio. Portanto, não se recomenda a ingestão simultânea de antiácidos à base de alumínio e Deferiprona (substância ativa).

A segurança do uso concomitante de Deferiprona (substância ativa) e vitamina C não foi formalmente estudada. Com base no relato de interação adversa que pode ocorrer entre a deferoxamina e a vitamina C, deve-se ter cuidado durante a administração simultânea de Deferiprona (substância ativa) e vitamina C.

Precauções do Deferiprona

As informações disponíveis sobre o uso de Deferiprona (substância ativa) em crianças com idades entre 6 e 10 anos são muito limitadas e não existem dados sobre o uso do produto em crianças menores de 6 anos. Assim, quando necessário, o uso nestas faixas etárias deve ser realizado com muita cautela.

Neutropenia/Agranulocitose

Existem evidências que mostram que o uso de Deferiprona (substância ativa) pode causar neutropenia, chegando, inclusive, a estados de agranulocitose. Exames semanais para contagem de neutrófilos são recomendados.

Em ensaios clínicos, a monitorização semanal da contagem de neutrófilos foi eficaz na identificação dos casos de neutropenia e agranulocitose. Os quadros de neutropenia e agranulocitose foram resolvidos quando a terapia foi suspensa.

Se o paciente desenvolver uma infecção durante o tratamento, a Deferiprona (substância ativa) deve ser interrompida e a contagem de neutrófilos deve ser monitorada com maior frequência. Os pacientes devem ser aconselhados a relatar imediatamente ao médico sobre quaisquer sintomas indicativos de infecção tais como febredor de garganta e sintomas gripais.

O tratamento sugerido nos casos de neutropenia está descrito a seguir. Recomenda-se que seja estabelecido um protocolo de tratamento tal como este apresentado antes de iniciar o tratamento com Deferiprona (substância ativa) em qualquer paciente.

O tratamento com Deferiprona (substância ativa) não deve ser iniciado se o paciente tiver com neutropenia. O risco de agranulocitose e neutropenia é mais elevado se a linha de base da contagem absoluta de neutrófilos (ANC) for inferior a 1,5 x 109/L.

No caso de neutropenia

Instrua o paciente a interromper imediatamente a Deferiprona (substância ativa) e todos os outros medicamentos com potencial para causar neutropenia. O paciente deve ser aconselhado a limitar o contato com outros indivíduos a fim de reduzir o risco de infecção.

Obter um hemograma completo com contagem de leucócitos, corrigido quanto à presença de células nucleadas de glóbulos vermelhos, uma contagem de neutrófilos e uma contagem de plaquetas imediatamente após diagnosticar o caso e, depois, repetir diariamente.

Recomenda-se que a seguir à recuperação da neutropenia, sejam obtidos semanalmente um hemograma completo, contagem de leucócitos, neutrófilos e de plaquetas durantes três semanas consecutivas, para assegurar que o paciente se recupera totalmente.

Caso haja indício de desenvolvimento de infecção simultaneamente com a neutropenia, devem ser realizados os procedimentos de diagnóstico e culturas adequadas, assim como a instituição de um regime terapêutico apropriado.

Em caso de neutropenia grave ou agranulocitose

Seguir as orientações acima descritas e administrar terapêutica adequada, tal como o fator estimulante de colônias de granulócitos, no mesmo dia em que o caso for identificado e administrar diariamente até a resolução da situação. Assegurar o isolamento de proteção e, se clinicamente indicado, internar o paciente no hospital.

Não existem muitas informações sobre a reintrodução da terapia com Deferiprona (substância ativa) . Caso ocorra neutropenia decorrente do uso desse medicamento, sua reintrodução não é recomendada.

Pacientes HIV positivos ou outros pacientes imunodeprimidos

Não existem estudos em pacientes HIV positivos, ou em outros pacientes com outras doenças que também comprometam o sistema imunológico. Devido ao fato que a Deferiprona (substância ativa) pode causar redução nas células de defesa do sangue, o uso de Deferiprona (substância ativa) em pacientes com esses quadros deve ser feito somente se os benefícios potenciais superarem os riscos.

A função renal e hepática deve ser monitorada, uma vez que o medicamento é metabolizado e eliminado por esses órgãos.

Pacientes com fibrose no fígado ou hepatite C também deverão ser monitorados, para assegurar que a terapia de quelação de ferro seja a ideal.

Carcinogenicidade/mutagenicidade

Em vista dos resultados de genotoxicidade, o potencial carcinogênico da Deferiprona (substância ativa) não pode ser desconsiderado.

Concentração de Zn+2 plasmático

É recomendado o monitoramento da concentração de Zn2+plasmático, e em casos de deficiência desse metal, sua suplementação é recomendada.

Insuficiência renal ou hepática e fibrose hepática

Não existem dados disponíveis sobre o uso da Deferiprona (substância ativa) em pacientes com insuficiência renal ou hepática. Uma vez que a Deferiprona (substância ativa) é eliminada principalmente por via renal, pode haver um risco aumentado de complicações em pacientes com função renal comprometida.

Da mesma forma, como a Deferiprona (substância ativa) é metabolizada no fígado, é preciso ter cautela em pacientes com disfunção hepática. A função renal e hepática deve ser monitorada nesta população de pacientes durante o tratamento com Deferiprona (substância ativa) .

Se houver um aumento persistente da alanina aminotransferase (ALT), a interrupção da terapêutica com Deferiprona (substância ativa) deve ser considerada.

Em pacientes com talassemia existe uma associação entre a fibrose hepática e a sobrecarga de ferro e/ou hepatite C. Cuidados especiais devem ser tomados para assegurar que a quelação de ferro em pacientes com hepatite C seja a ideal. Nesses pacientes, a monitorização cuidadosa da histologia hepática é recomendada.

Descoloração da urina

Os pacientes devem ser informados de que a urina pode apresentar uma cor castanha avermelhada, devido à excreção do complexo ferro-Deferiprona (substância ativa) .

Overdose crônica e doenças neurológicas

Alterações neurológicas foram observadas em crianças tratadas, por vários anos, com 2,5 a 3 vezes a dose recomendada. Os prescritores são lembrados de que o uso de doses acima de 100 mg/kg/dia não é recomendada.

Efeitos sobre a Capacidade de Conduzir e Utilizar Máquinas

Não é relevante.

Gravidez

Não existem dados suficientes sobre o uso de Deferiprona (substância ativa) em mulheres grávidas. Estudos em animais mostraram toxicidade reprodutiva. O risco potencial para humanos é desconhecido.

Mulheres em idade fértil devem ser aconselhadas a evitar a gravidez, devido às propriedades clastogênicas e teratogênicas do medicamento. Estas mulheres devem ser aconselhadas a tomar medidas contraceptivas e devem ser aconselhadas a parar imediatamente de tomar Deferiprona (substância ativa) se ficarem grávidas ou se planejam engravidar.

Amamentação

Não se sabe se a Deferiprona (substância ativa) é excretada no leite humano. Estudos reprodutivos pré e pós-natais em animais não foram realizados.

A Deferiprona (substância ativa) não deve ser utilizada pelas mães que estão amamentando. Se o tratamento for inevitável, a amamentação deve ser interrompida.

Fertilidade

Nenhum efeito na fertilidade ou desenvolvimento embrionário precoce em animais foi observado.

Categoria “X” de risco de gravidez

Em estudos em animais e mulheres grávidas, o fármaco provocou anomalias fetais, havendo clara evidência de risco para o feto que é maior do que qualquer benefício possível para a paciente.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas ou que possam ficar grávidas durante o tratamento.

Ação do Deferiprona

Resultados de eficácia

Com o objetivo de avaliar sua segurança e eficácia em tratamentos de longo prazo, quinhentos e trinta e dois pacientes com talassemia de 86 centros de tratamento foram inscritos neste programa realizado na Itália. Cento e oitenta e sete pacientes (32%) apresentaram um total de 269 eventos que levaram à interrupção temporária ou, em alguns casos, a interrupção total de tratamento. A incidência de agranulocitose e neutropenias leves foi de 0/100 (desvio-padrão = 4) e 2/100 (desvio-padrão = 1) pacientes-ano, respectivamente.

Neutropenia ocorreu predominantemente em pacientes mais jovens e não-esplenectomisados. Um aumento transitório da alanina transaminase, desconforto gastrointestinal e artralgias foram os outros eventos mais relatados.

Os níveis de ferritina evidenciaram uma diminuição, significativa e progressiva através do tempo, após 3 anos de terapia. Esses dados mostram que a droga foi eficaz na redução dos níveis de ferritina e a incidência de eventos adversos não foi maior do que a frequência em ensaios clínicos, evidenciando a segurança do tratamento. 

Em outro estudo, realizado na Índia, 75 crianças com talassemia (com idades entre 4 e 14 anos) foram avaliadas durante um período de um ano. Esses pacientes foram separados em 3 grupos:Grupo A, com 30 pacientes, receberam uma dose diária de Deferiprona (substância ativa) igual a 50 mg/kg;Grupo B, com 21 pacientes, receberam uma dose diária de Deferiprona (substância ativa) igual a 75 mg/kg;Grupo controle, com 24 pacientes foram apenas acompanhados, sem introdução de terapia medicamentosa ou placebo.

Observou-se que o nível sérico de ferritina reduziu-se de modo significativo em ambos os grupos A e B (com p<0,01 cada), porém a redução foi maior no grupo B (que recebeu a dose diária de 75 mg/kg).

Apenas um paciente precisou ser retirado do tratamento com Deferiprona (substância ativa) , por apresentar artropatia grave. Doze pacientes desenvolveram leucopenia e neutropenia após 2-11 meses de tratamento com Deferiprona (substância ativa) e não se observou relação com a dose ou com a duração do tratamento para aparecimento desse quadro.

O medicamento foi novamente introduzido em 10 pacientes e apenas um deles desenvolveu um segundo quadro de neutropenia.

O estudo conclui que a Deferiprona (substância ativa) é um quelante de ferro muito eficaz, e que os eventos adversos mais comuns do tratamento (artropatia e neutropenia) precisam ser monitorados durante o uso do produto, porém a maioria dos casos é leve, não reincidem após reintrodução da terapia e não existe necessidade de interromper-se a medicação, nesses casos, para a maioria dos pacientes, mostrando a segurança e boa tolerabilidade da terapia com Deferiprona (substância ativa) na talassemia major.

Sabe-se que na talassemia major, o óbito por razões cardíacas é comum, sendo que 71% das mortes em portadores da doença são ocasionadas por insuficiência cardíaca devido ao acúmulo de ferro.

Técnicas de medição da concentração de ferritina sérica e ferro hepático são fundamentais para acompanhamento do quadro clínico do paciente, mas esses parâmetros não são capazes de mensurar, de modo direto, a quantidade de ferro cardíaco.

Uma nova técnica de ressonância magnética, o T2*, foi desenvolvida para detectar a sobrecarga de ferro cardíaco e auxiliar no acompanhamento desses pacientes. Para avaliar a importância desse exame nos pacientes talassêmicos foi realizado um estudo de sobrevivência e causas de morte em pacientes com talassemia major no Reino Unido.

O objetivo foi avaliar de que maneira o teste de ressonância magnética T2* cardiovascular é essencial para o diagnóstico precoce de siderose cardíaca, para que a terapia de quelação, nesses grupos de pacientes, seja feita a tempo de evitar danos aos órgãos mais importantes afetados pelo excesso de ferro circulante. Os pacientes identificados no teste CMR T2* receberam Deferiprona (substância ativa) oral e foram identificados a partir de seus registros clínicos, e acompanhados após essa pré-seleção.

Dados do Reino Unido mostram que entre 1980 e 1999 houve 12,7 óbitos por 1.000 pacientes talassêmicos/ano. Quarenta por cento dos pacientes nascidos antes de 1980 tinha ressonância magnética cardiovascular T2* em níveis considerados de alto risco (T2* < 10 ms).

Entre 2000 e 2003, 36% destes pacientes receberam Deferiprona (substância ativa) . Em 2000-2003, a taxa de mortalidade caiu significativamente para 4,3 por 1.000 pacientes talassêmicos/ano (redução de 62%, p <0,05). Isso foi impulsionado principalmente pela redução na taxa de mortes causadas por excesso de ferro circulante (siderose), que caiu de 7,9 para 2,3 óbitos por 1.000 pacientes talassêmicos/ano (redução de 71%, p <0,05).

Conclui-se então que, desde 1999, tem havido uma melhora significativa na sobrevivência das pessoas portadoras de talassemia major no Reino Unido, o que tem sido impulsionado, principalmente, por uma redução do número de mortes devido à sobrecarga de ferro cardíaco.

As causas mais prováveis para isso incluem a introdução do teste CMR T2* para identificar siderose do miocárdio e intensificação de tratamento de quelação de ferro adequado (com Deferiprona (substância ativa) ), ao lado de outras melhorias nos cuidados clínicos com esses pacientes. (Modell B et al)

Características farmacológicas

A Deferiprona (substância ativa) é uma substância que apresenta a capacidade de retirar o excesso de ferro do organismo de pacientes portadores de talassemia major (doença também conhecida como anemia do mediterrâneo), submetidos a constantes transfusões de sangue e que não podem receber outra terapia (como a desferroxamina).

Propriedades Farmacodinâmicas

Grupo farmacoterapêutico: agentes quelantes de ferro.

Mecanismo de ação

A substância ativa é a Deferiprona (substância ativa) , um quelante bidentado que se liga ao ferro na proporção de 3:1 molar.

Efeitos farmacodinâmicos

Os estudos clínicos demonstraram que Deferiprona (substância ativa) é um eficaz agente promotor da excreção de ferro, e que uma dose de 25 mg/kg três vezes por dia pode prevenir a progressão do acúmulo de ferro no organismo (esse dado é avaliado pela concentração de ferritina sérica, em doentes com talassemia dependente da transfusão). Entretanto, a terapia quelante pode não proteger contra danos nos órgãos induzidos pelo ferro.

Absorção

A Deferiprona (substância ativa) é rapidamente absorvida a partir da parte superior do trato gastrointestinal. O pico de concentração sérica ocorre entre 45 a 60 minutos após uma dose única em pacientes em jejum. Esse pico pode ser estendido para 2 horas em pacientes alimentados.

Após uma dose de 25 mg/kg, concentrações séricas mais baixas têm sido detectadas em pacientes no estado alimentado (85 mcmol/L) do que no estado de jejum (126 mcmol/L), porém não houve diminuição na quantidade de Deferiprona (substância ativa) absorvida quando essa foi administrada com alimentos.

Biotransformação

A Deferiprona (substância ativa) é metabolizada predominantemente num conjugado glicuronídeo. Este metabólito não possui capacidade de ligação de ferro devido à inativação do grupo 3- hidroxi da Deferiprona (substância ativa) . As concentrações séricas máximas do glicuronídeo ocorrem entre 2 a 3 horas após a administração de Deferiprona (substância ativa) .

Eliminação

Em humanos, a Deferiprona (substância ativa) é eliminada principalmente através dos rins. Uma concentração entre 75% a 90% da dose ingerida é normalmente recuperada na urina nas primeiras 24 horas sob 3 formas: Deferiprona (substância ativa) livre, metabólito glicuronídeo e complexo ferro-Deferiprona (substância ativa) .

Uma quantidade variável de eliminação através das fezes tem sido relatada. A meia-vida de eliminação na maioria dos pacientes é de 2 a 3 horas.

O tempo médio estimado do início da ação é de 30 minutos após a ingestão do medicamento.



Assine nossa newsletter e receba as melhores promoções e ofertas de sua região




SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, PROCURE ORIENTAÇÃO DO FARMACÊUTICO OU DE SEU MÉDICO. LEIA A BULA.



Todas as informações contidas nesse site tem a intenção de informar e educar, não pretendendo de forma alguma substituir as informações e orientações do profissional da saúde ou servir como recomendação para algum tratamento, não administre qualquer tipo de medicamento sem consultar o seu médico ou farmacêutico.