ethyol


RESULTADOS: 0

Não foram encontrados resultados.



 INFORMAÇÕES DO MEDICAMENTO


AMIFOSTINA


Para que serve o Amifostina

Quimioterapia

Amifostina (substância ativa) é indicado para proteção contra toxicidade hematológica induzida por agentes quimioterápicos que se ligam ao DNA (agentes alquilantes clássicos, como a ciclofosfamida, e não-clássicos, como a mitomicina-C e análogos da platina). É também indicado como proteção contra toxicidades não-hematológicas, agudas e cumulativas (nefro, neuro e ototoxicidade) associadas à terapia à base de platina; é indicado para proporcionar melhor adesão a esses tipos de tratamento quimioterápico.

Amifostina (substância ativa) é indicado para reduzir a neutropenia relacionada com o risco de infecção (por exemplo neutropenia febril) decorrente da associação de ciclofosfamida e cisplatina em pacientes com carcinoma de ovário avançado (FIGO estágios III ou IV). Amifostina (substância ativa) é indicado para a proteção de pacientes com tumores sólidos avançados originários de células não-germinativas portadores de nefrotoxicidade cumulativa decorrente do tratamento à base de cisplatina, cuja dose varie de 60 a 120 mg/m2 , associada à hidratação adequada.

Radioterapia

Amifostina (substância ativa) é indicado em associação com o tratamento padrão de radioterapia fracionada para câncer de cabeça e pescoço na proteção contra a xerostomia aguda ou tardia.

Contraindicação do Amifostina

Amifostina (substância ativa) é contraindicado para pacientes com hipersensibilidade ao aminotiol e seus compostos.

Pacientes hipotensos ou em estado de desidratação não devem receber Amifostina (substância ativa).

Uma vez que Amifostina (substância ativa) é administrado concomitantemente com drogas teratogênicas e mutagênicas, não deve ser utilizado por mulheres grávidas ou em fase de lactação.

Devido à falta de experiência com o seu uso em pacientes portadores de insuficiência hepática ou renal, em crianças ou em pacientes com idade superior a 70 anos, Amifostina (substância ativa) está contraindicado nesses grupos.

Como usar o Amifostina

Quimioterapia:

Após a reconstituição, a solução de Amifostina (substância ativa) deve ser diluída até alcançar a concentração variável de 5 mg/mL a 40 mg/mL de amifostina, mantendo-se estável por até 6 horas quando armazenada em temperatura até 25ºC ou por até 24 horas quando armazenada sob refrigeração (entre 2 e 8ºC). Ainda não foi estabelecida a compatibilidade de Amifostina (substância ativa) com outras soluções além da solução de cloreto de sódio a 0,9% para injeção ou solução de cloreto de sódio com conservante. Não é recomendado o uso de outras soluções.

Em pacientes com carcinoma ovariano avançado recebendo um regime combinado de cisplatina e ciclofosfamida, a dose inicial recomendada de Amifostina (substância ativa) é de 910 mg/m² de superfície corpórea, administrada uma vez por dia, por infusão intravenosa com duração de 15 minutos, iniciando-se 30 minutos antes da quimioterapia com agentes administrados por curta infusão.

Caso Amifostina (substância ativa) seja utilizado com a intenção de redução da nefrotoxicidade associada com a cisplatina, a dose inicial de Amifostina (substância ativa) deverá ser correlacionada à dose e esquema da cisplatina. Para doses de cisplatina de 100 a 120 mg/m², a dose inicial recomendada de Amifostina (substância ativa) é de 910 mg/m² administrada em infusão intravenosa com duração de 15 minutos, iniciando-se 30 minutos antes da quimioterapia. Se a dose administrada de cisplatina for menor do que 100 mg/m², mas maior ou igual a 60 mg/m², a dose inicial recomendada de Amifostina (substância ativa) é de 740 mg/m², administrada em infusão intravenosa com duração de 15 minutos, iniciando-se 30 minutos antes da quimioterapia.

A infusão durante 15 minutos para a dose de 740 a 910 mg/m² é supostamente melhor tolerada do que infusões com durações mais extensas. Tempos de infusão reduzidos adicionais não foram explorados sistematicamente.

A infusão de Amifostina (substância ativa) deverá ser interrompida, se a pressão sistólica cair significantemente em relação à basal, segundo os valores mostrados no quadro a seguir:

Orientação para interrupção da infusão de amifostina mediante queda da pressão sistólica

Se a pressão arterial retornar ao normal em 5 minutos e o paciente estiver assintomático, a infusão poderá ser reiniciada até que a dose total programada de Amifostina (substância ativa) possa ser administrada. Se a dose total não puder ser administrada, a dose a ser utilizada nos próximos ciclos deverá ser reduzida em 20%, por exemplo, de 910 mg/m2 para 740 mg/m2.

Radioterapia:

Reconstituir segundo descrição anterior com 9,7 mL de solução de cloreto de sódio a 0,9%.

Para proteger contra a toxicidade associada à radioterapia, a dose recomendada de Amifostina (substância ativa) é de 200 mg/m2 , administrada diariamente em infusão de 3 minutos, iniciando de 15 a 30 minutos antes da terapia padrão de radiação fracionada.

A pressão sanguínea deve ser medida antes e após a infusão.

Amifostina (substância ativa) deve ser usado somente sob supervisão de médicos com experiência em quimioterapia ou radioterapia.

Atenção: O frasco-ampola e os materiais para infusão devem ser descartados de modo seguro em um recipiente adequado.

Reações Adversas do Amifostina

Foi relatada hipotensão arterial, manifestada por redução transitória da pressão sistólica e menos frequentemente por diminuição da pressão arterial diastólica. O tempo médio para o início da hipotensão foi de 13 minutos em um período de 15 minutos de infusão de amifostina e a duração média foi de 5 minutos em um estudo randomizado em pacientes com câncer ovariano, em que se administrou amifostina 910 mg/m2 antes da quimioterapia.

Em alguns casos, a infusão precisou ser interrompida prematuramente devido a uma queda mais acentuada da pressão sistólica. Nesses casos, a pressão sistólica retornou ao normal dentro de 5 a 15 minutos. Foram relatados raros casos de perda rápida e reversível da consciência.

Os sintomas clínicos da hipotensão normalmente são revertidos rapidamente pela infusão de líquidos e por meio de mudanças posturais.

Em alguns casos raros, às vezes, durante ou após a hipotensão foram relatados:

Taquicardia, bradicardia, dispneia, apneia, hipóxia, dor torácica, isquemia miocárdica, insuficiência renal, infarto do miocárdio, convulsões, perda da consciência, parada respiratória e cardíaca. Se a pressão arterial retornar aos níveis de normalidade em 5 minutos e o paciente se apresentar assintomático, a infusão poderá ser restabelecida, no intuito de se aplicar a dose programada.

Foram relatados raros casos de arritmias, tais como: fibrilação/flutter atrial e taquicardia supraventricular. Em algumas vezes, estas foram associadas com hipotensão ou reações alérgicas.

Em casos raros, foram observadas hipertensão transitória e exacerbação de hipertensão pré-existente após a administração de Amifostina (substância ativa).

Foi relatada hipotensão (todos os graus) em 15% dos pacientes com câncer de cabeça e pescoço que receberam 200 mg/m2 de Amifostina (substância ativa) após hidratação e antes da radioterapia em um estudo randomizado. Em 3% dos pacientes foi observada hipotensão grau 3. Com a administração de Amifostina (substância ativa) antes da radioterapia, a pressão sanguínea deve ser medida antes e depois da infusão de Amifostina (substância ativa).

Náuseas e/ou vômitos são relatados frequentemente. A amifostina aumentou a incidência de náuseas/vômitos de leve a moderada no dia 1 da quimioterapia. No entanto, não aumenta a incidência de náuseas/vômitos tardios provocados pela quimioterapia à base de cisplatina. Recomenda-se a adoção de um regime antiemético, incluindo dexametasona 20 mg IV e antagonista do receptor 5-HT3, antes e concomitante ao uso de Amifostina (substância ativa).

Outros efeitos colaterais foram descritos durante ou após o uso de Amifostina (substância ativa): rubor/sensação de ondas de calor, calafrios ou sensação de frio, tontura, sonolência, soluços e crises de espirros. Também foram descritos raros casos de convulsões.

A diminuição da concentração sérica de cálcio é um efeito farmacológico conhecido do uso de Amifostina (substância ativa).

O mecanismo de hipocalcemia pode ser devido à indução do hipoparatireoidismo.

Nenhuma manifestação clinicamente relevante de hipocalcemia foi relatada nas doses recomendadas. Contudo, ocorreram raros casos de hipocalcemia clínica em pacientes que receberam doses múltiplas de Amifostina (substância ativa) dentro de um período de 24 horas.

Reações alérgicas graves foram relatadas com Amifostina (substância ativa). A maioria dos casos apresentou sintomas não-específicos incluindo calafrios, rigidez, dores torácicas e erupções cutâneas. Raramente foram relatadas reações anafilactoides, cujas manifestações incluíram dispneia, hipotensão, urticária e, raramente, parada cardíaca. Muito raramente foram relatadas pressão torácica, dermatose tóxica e dermatite esfoliativa.

Foram relatadas reações cutâneas graves, em alguns casos fatais, que incluíram eritema multiforme e, em raros casos, síndrome de Stevens-Johnson e necrólise tóxica epidérmica. Em um número limitado de pacientes nos ensaios clínicos, o índice declarado foi de 4 dos 379 pacientes recebendo radioterapia (105,5 casos para 10.000 pacientes) e 1 excluído dos 1356 pacientes recebendo quimioterapia (7,4 casos para 10.000 pacientes). A incidência de reações cutâneas graves relatadas com Amifostina (substância ativa) após o início da comercialização é estimada em 6,0 a 9,0 casos para 10.000 pacientes recebendo radioterapia e de 0,8 a 10 casos para 10.000 recebendo quimioterapia.

Foram relatados raros casos de febre durante ou poucas horas após a infusão de Amifostina (substância ativa).

Interação Medicamentosa do Amifostina

A rápida depuração plasmática da amifostina minimiza os riscos de interação entre essa e outras drogas. Por esse motivo, são limitados os estudos de interação com a amifostina.

Atenção especial deve ser dada ao uso concomitante de Amifostina (substância ativa) com medicação antihipertensiva ou outras drogas que possam potencializar a hipotensão.

Precauções do Amifostina

Os pacientes devem ser adequadamente hidratados antes da infusão e mantidos em posição supina durante a infusão da solução reconstituída de Amifostina (substância ativa), com a pressão arterial monitorada.

Os parâmetros para interrupção e reinício da infusão de amifostina, em caso de diminuição da pressão sistólica. Se ocorrer hipotensão, os pacientes deverão ser colocados em posição de Trendelemburg e deverá ser infundida solução salina normal. É importante que a infusão da dose recomendada (740 a 910 mg/m2 de superfície corpórea) seja administrada num período superior a 15 minutos. A administração de amifostina em infusões muito prolongadas está associada com maior incidência de efeitos colaterais.

Pode ocorrer hipotensão durante ou logo após a infusão de Amifostina (substância ativa), mesmo que o paciente esteja recebendo hidratação e posicionado adequadamente.

Em alguns raros casos, às vezes durante ou após a infusão, as seguintes reações foram relatadas:

Taquicardia, bradicardia, dispneia, apneia, hipóxia, dor torácica, isquemia miocárdica, insuficiência renal, infarto do miocárdio, convulsões, perda da consciência, parada respiratória e parada cardíaca.

Reações cutâneas graves, em alguns casos requerendo hospitalização e descontinuação do tratamento, foram raramente relatadas com o uso de Amifostina (substância ativa). Essas reações, em alguns casos fatais, incluem eritema multiforme, síndrome de Stevens-Johnson, necrólise tóxica epidérmica, toxoderma e toxicidade bolhosa. A maioria dos casos, ocorreu em pacientes recebendo Amifostina (substância ativa) como radioprotetor e surgiram após 10 ou mais dias de exposição ao Amifostina (substância ativa).

Os pacientes devem ser submetidos à avaliação cutânea antes de cada administração de Amifostina (substância ativa), com particular atenção nos casos do desenvolvimento de:

  • Qualquer erupção envolvendo os lábios ou as mucosas desconhecendo-se o agente etiológico (ex.: mucosite por irradiação, herpes simplex, etc.);
  • Lesões eritematosas, edematosas ou bolhosas nas palmas das mãos ou nas plantas dos pés e/ou outras reações cutâneas no tronco (frente, costas e abdome);
  • Reações cutâneas associadas à febre ou outros sintomas gerais.

As reações cutâneas devem ser claramente diferenciadas das dermatites induzidas por radiação e das reações cutâneas relacionadas a outras etiologias.

Para reações cutâneas que surjam fora do local da injeção ou do local da radioterapia cuja etiologia seja desconhecida, o tratamento com Amifostina (substância ativa) deve ser interrompido e uma análise dermatológica e biópsia devem ser realizadas, a fim de classificar a reação. O tratamento deverá ser sintomático. O reinício da administração de Amifostina (substância ativa) deverá ocorrer, a critério médico, baseado na avaliação clínica e em uma consulta dermatológica.

Amifostina (substância ativa) deve ser permanentemente suspenso caso as reações cutâneas sejam: eritema multiforme, necrólise tóxica epidérmica, síndrome de Stevens-Johnson ou dermatite esfoliativa e para reação cutânea associada à febre ou qualquer outro sintoma geral desconhecido devido a qualquer outro agente etiológico.

Dados referentes ao uso consecutivo de Amifostina (substância ativa) em tratamentos quimioterápicos com cisplatina ou com agentes alquilantes (Amifostina (substância ativa) na dose de 910 mg/m2 ) e radioterapia (Amifostina (substância ativa) na dose dose de 200 mg/m2 ) são limitados.

Antes da terapia por radiação, Amifostina (substância ativa) deve ser administrado na dose recomendada (200 mg/m2 por fração de 2 Gy) por mais de 3 minutos.

Amifostina (substância ativa) não é indicado para os casos em que as glândulas parótidas não estão no campo da radiação.

Recomenda-se o uso de medicação antiemética, incluindo dexametasona 20 mg IV e antagonista 5-HT3 antes e durante a infusão de amifostina, especialmente quando se utilizar quimioterápicos fortemente emetogênicos, como a cisplatina.

Os antieméticos profiláticos são recomendados para doses consideráveis destinadas à radioterapia (200 mg/m2 por fração de 2 Gy).

O balanço hídrico do paciente deve ser monitorado cuidadosamente quando a amifostina for administrada com quimioterápicos altamente emetogênicos.

Terapias anti-hipertensivas devem ser suspensas 24 horas antes da administração da amifostina para quimioterapia e esses pacientes devem ser monitorados cuidadosamente durante o tratamento. Pacientes em tratamento com Amifostina (substância ativa) e radioterapia, recebendo concomitantemente medicação anti-hipertensiva, devem ser monitorados cuidadosamente durante o tratamento.

Apesar dos relatos de hipocalcemia clinicamente relevante serem muito raros, o nível sérico de cálcio deve ser monitorado em pacientes com risco de hipocalcemia, como a associada à síndrome nefrótica. Caso necessário, deve-se administrar suplementos de cálcio, conforme a necessidade. Devem ser tomadas precauções especiais quanto aos pacientes que estejam fazendo uso de agentes hipocalcemiantes.

Raros casos de convulsões foram relatados com a administração de Amifostina (substância ativa).

Recomenda-se cautela em pacientes tratados com outras drogas potencialmente convulsogênicas.

Nenhum estudo específico de interação medicamentosa foi realizado em pacientes tratados com Amifostina (substância ativa) e radioterapia.

Gravidez e lactação:

Embora Amifostina (substância ativa) tenha apresentado embriotoxicidade relacionada à dose em ratas recebendo doses acima de 200 mg/kg, ele não é teratogênico.

Não existem estudos em mulheres grávidas. Como Amifostina (substância ativa) é administrado com agentes reconhecidamente teratogênicos, essa terapia não deve ser utilizada por gestantes. Se as pacientes engravidarem enquanto em uso dessa terapia, deverão ser conscientizadas do risco potencial para o feto.

Fertilidade:

Estudos em animais mostraram a ocorrência de degeneração do epitélio germinativo dos testículos bilateral e hipospermia bilateral nos epidídimos. O potencial risco para humanos é desconhecido.

Categoria C.

Esse medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Não se sabe se a amifostina ou seus metabólitos são excretados no leite materno de mulheres em fase de lactação, sendo recomendada a interrupção do aleitamento antes do início do tratamento com Amifostina (substância ativa).

Uso em idosos, crianças e outros grupos de risco:

Não foram realizados estudos de Amifostina (substância ativa) em crianças, assim como em pacientes com mais de 70 anos.

Também não foi documentado o uso de amifostina em pacientes com disfunções hepática ou renal graves.

Portanto, Amifostina (substância ativa) não deve ser usado em crianças ou idosos (pacientes com mais de 70 anos), ou naqueles com disfunção hepática ou renal graves. Recomenda-se atenção especial à função renal em pacientes com fatores de risco conhecidos de insuficiência renal, como: vômito, desidratação, hipotensão grave, quimioterapia nefrotóxica, ou idade acima de 60 anos.

Não há dados disponíveis para assegurar um efeito benéfico de longa duração com o uso de amifostina para câncer secundário, fibrose tardia ou toxicidade cutânea tardia.

Ação do Amifostina

Resultados de eficácia

Estudos Clínicos

O programa de estudos clínicos para demonstrar a eficácia e a segurança do Amifostina (substância ativa) incluiu estudos comparativos randomizados e alguns não randomizados. O benefício terapêutico do Amifostina (substância ativa) foi demonstrado pela quimioproteção seletiva em pacientes que receberam cisplatina, agentes alquilantes ou tratamento radioterápico em vários tipos de tumor, sem perda de eficácia antitumoral.

As conclusões dos estudos clínicos foram as seguintes:

O Amifostina (substância ativa) conferiu proteção contra toxicidade hematológica grave associada com altas doses de cisplatina e/ou agentes alquilantes, resultando em benefícios clínicos significativos para os pacientes.

Os pacientes que receberam 910 mg/m2 de Amifostina (substância ativa) antes da cisplatina (100 mg/m2 ) e da ciclofosfamida (1000 mg/m2 ) em seguida exigiram um número significativamente menor de hospitalizações (p = 0,004) e permanências mais breves (p = 0,022), devido à sua menor taxa de infecções graves, índice significativamente menor de trombocitopenia grau 3/4 após o primeiro ciclo de quimioterapia com dose completa e granulocitopenia significativamente menos prolongada (p = 0,011), em comparação com pacientes que receberam apenas a quimioterapia. No grupo tratado apenas com a quimioterapia, houve um óbito em decorrência de sepsis e cinco pacientes não completaram o tratamento em decorrência de toxicidade hematológica.

Os pacientes que receberam 740 mg/m2 de Amifostina (substância ativa) antes da ciclofosfamida (1000 mg/m2 ) apresentaram “nadires” de granulócitos menos graves (média de 1244/mm3 vs 501/mm3 , p < 0,001) e recuperação significativamente mais rápida da granulocitopenia (média de 2,2 vs 5,4 dias; p < 0,001) e da leucopenia (2,5 vs 4,7 dias; p = 0,022) em comparação com um ciclo de tratamento prévio apenas com a ciclofosfamida nos mesmos 21 pacientes. Nenhum paciente apresentou febreou sepsis quando houve o pré-tratamento com o Amifostina (substância ativa) em comparação com 3/21 (14%) dos pacientes quando receberam apenas a ciclofosfamida, que apresentaram febre associada com neutropenia e necessitaram de hospitalização e antibióticos. Além disso, dois pacientes do grupo desenvolveram trombocitopenia ao receber apenas a ciclofosfamida, contra nenhum paciente do grupo submetido ao tratamento prévio com o Amifostina (substância ativa).

Pacientes com câncer colorretal que receberam 910 mg/m2 de Amifostina (substância ativa) antes da mitomicina (20 mg/m2 ) desenvolveram menos trombocitopenia significativamente, tanto em frequência (p = 0,0098) como em gravidade (p = 0,014), em comparação com pacientes tratados apenas com a mitomicina-C.

Amifostina (substância ativa) conferiu proteção contra ototoxicidade, neurotoxicidade e nefrotoxicidade relacionadas à cisplatina.

Pacientes com câncer ovariano avançado foram randomizadas em duas coortes de 121 pacientes de modo a receber 910 mg/m2 de Amifostina (substância ativa) antes de cada um de 6 ciclos de cisplatina (100 mg/m2 ) e ciclofosfamida (1000 mg/m2 ), em comparação com pacientes que receberam apenas a quimioterapia.

Em cada coorte, o pré-tratamento com o Amifostina (substância ativa) reduziu significativamente a toxicidade renal cumulativa associada com a cisplatina, avaliada por uma menor proporção de pacientes com perda ≥ 40% na depuração de creatinina a partir dos valores de pré-tratamento (ver Tabela 1 abaixo), ou pela proporção com elevações prolongadas nos níveis séricos de creatinina (> 1,5 mg/dL), ou hipomagnesemia grave. Um número menor de pacientes que receberam o Amifostina (substância ativa) descontinuaram o tratamento em decorrência de nefrotoxicidade e um número significativamente menor apresentou aumento prolongado nos níveis séricos de creatinina (p = 0,040).

A toxicidade neurológica, incluindo manifestação de ototoxicidade por perda auditiva, também apresentou redução significativa (p = 0,022). A eficácia citoprotetora resultou na aceitação de uma dose cumulativa média mais alta de cisplatina.

Quimioterapia para câncer ovariano

Um estudo controlado randomizado comparou seis ciclos de ciclofosfamida 1000 mg/m2 e cisplatina 100 mg/m2 com ou sem pré-tratamento com Amifostina (substância ativa) a 910 mg/m2 , em duas coortes sucessivas de 121 pacientes com câncer ovariano avançado.

Em ambas as coortes, após múltiplos ciclos de quimioterapia, o pré-tratamento com o Amifostina (substância ativa) reduziu significativamente a toxicidade renal cumulativa associada com a cisplatina, avaliada pela proporção de pacientes que apresentou diminuição ≥ 40% na depuração de creatinina a partir dos valores pré-tratamento, elevações prolongadas nos níveis séricos de creatinina (> 1,5 mg/dL) ou hipomagnesemia grave. As análises de subgrupo sugeriram que o efeito do Amifostina (substância ativa) esteve presente em pacientes que haviam recebido antibióticos nefrotóxicos, ou que apresentavam diabetes ou hipertensão preexistentes (e que, dessa forma, poderiam apresentar risco aumentado de nefrotoxicidade significativa), bem como em pacientes que não apresentavam esses riscos.

Análises selecionadas dos efeitos do Amifostina (substância ativa) na redução da toxicidade renal cumulativa da cisplatina no estudo randomizado de câncer ovariano são apresentadas nas Tabelas 1 e 2 abaixo.

Tabela 1. Proporção de pacientes com redução ≥ 40% na depuração de creatinina calculada*


*Os valores de depuração de creatinina foram calculados utilizando-se a fórmula de CockcroftGault, Nephron 1976; 16:31-41.

Tabela 2. Graus de toxicidade do NCI [National Cancer Institute (Instituto Nacional do Câncer)] dos níveis séricos de magnésio para o último ciclo de terapia de cada paciente


* Com base na estatística do Qui-Quadrado de Mantel-Haenszel bicaudal.

No estudo randomizado de câncer ovariano, Amifostina (substância ativa) não apresentou efeito detectável sobre a eficácia antitumoral da quimioterapia com cisplatina-ciclofosfamida. As taxas de resposta objetiva (incluindo taxa de remissão completa confirmada patologicamente), tempo para progressão e duração da sobrevida foram todos semelhantes nos grupos de estudo do Amifostina (substância ativa) e controle. A tabela abaixo resume os principais achados de eficácia do estudo randomizado de câncer ovariano.

Tabela 3. Comparação dos principais achados de eficácia

  Amifostina (substância ativa) +CP

CP

Taxa de resposta tumoral patológica completa

21,3%

15,8%

Tempo para progressão (meses)

Mediana (± 95% IC)

Média (± Erro padrão)

Razão de risco

(Intervalo de Confiança de 95%)

15,8 (13,2, 25,1)

15,8 (13,2, 25,1)

18,1 (12,5, 20,4)

19,1 (±1,58)

0,98 (0,64, 1,4)

Sobrevida (meses)

Mediana (± 95% IC)

Média (± Erro padrão) 

Razão de risco 

(Intervalo de Confiança de 95%)

31,3 (28,3, 38,2)

33,7 (±2,03)

31,8 (26,3, 39,8)

34,3 (±2,04)

0,97 (0,69, 1,32)

Radioterapia para câncer de cabeça e pescoço

por 5 dias/semana por 5-7 semanas) com ou sem Amifostina (substância ativa), administrado a uma dose de 200 mg/m2 na forma de infusão intravenosa de 3 minutos 15-30 minutos antes de cada fração de radiação, foi conduzido em 315 pacientes com câncer de cabeça e pescoço. Foi exigido que os pacientes tivessem pelo menos 75% de ambas as glândulas parótidas no campo de radiação.

A incidência de xerostomia Grau 2 ou superior aguda (90 dias ou antes a partir do início da radioterapia) e tardia (9-12 meses após a radioterapia), avaliada pelos Critérios de Escores de Morbidade Aguda e Tardia do RTOG, foi reduzida significativamente nos pacientes que receberam Amifostina (substância ativa) (Tabela 4).

Tabela 4. Incidência de xerostomia Grau 2 ou superior (critérios do RTOG)

a Com base no número de pacientes para os quais havia disponibilidade de dados exatos.

Em um ano após a radioterapia, a coleta de saliva total após a radioterapia revelou que, em um número maior de pacientes submetidos ao Amifostina (substância ativa) houve produção de saliva > 0,1 g (72% vs 49%). Além disso, a produção mediana de saliva em um ano foi superior nos pacientes que receberam o Amifostina (substância ativa) (0,26 g vs 0,1 g). As coletas de saliva estimulada não revelaram diferenças entre os braços de tratamento. Essas melhoras na produção de saliva foram sustentadas pelas respostas subjetivas dos pacientes a um questionário relacionado à secura oral.

No estudo randomizado de câncer de cabeça e pescoço, o controle locorregional, a sobrevida livre de doença e a sobrevida total foram todos comparáveis nos dois grupos de tratamento após um ano de acompanhamento (ver Tabela 5).

Tabela 5. Comparação dos principais achados de eficácia em 1 ano

  Amifostina (substância ativa) +RT

RT

Taxa de controle locorregionala 

Razão de Riscob 

Intervalo de Confiança de 95%

76,1%

75,0%

1,013 

(0,671, 1,530)

Taxa de sobrevida livre de doençaa 

Razão de Riscob 

Intervalo de Confiança de 95%

74,6%

70,4%

1,035

(0,702, 1,528)

Taxa de sobrevida totala

Razão de Riscob

Intervalo de Confiança de 95%

89,4%

82,4%

1,585

(0,961, 2,613)

a Taxas em 1 ano estimadas utilizando-se o método de Kaplan-Meier.
b Razão de risco > 1,0 está a favor do braço Amifostina (substância ativa) + RT.



Assine nossa newsletter e receba as melhores promoções e ofertas de sua região




SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, PROCURE ORIENTAÇÃO DO FARMACÊUTICO OU DE SEU MÉDICO. LEIA A BULA.



Todas as informações contidas nesse site tem a intenção de informar e educar, não pretendendo de forma alguma substituir as informações e orientações do profissional da saúde ou servir como recomendação para algum tratamento, não administre qualquer tipo de medicamento sem consultar o seu médico ou farmacêutico.