deslanol


RESULTADOS: 0

Não foram encontrados resultados.



 INFORMAÇÕES DO MEDICAMENTO


DESLANOSÍDEO


Para que serve o Deslanosídeo

Deslanosídeo (substância ativa) é indicado para tratamento de insuficiência cardíaca congestiva aguda e crônica de todos os tipos, qualquer que seja sua fase, especialmente as associadas com fibrilação ou flutter supraventricular e aumento da frequência cardíaca em pacientes de todas as idades. Também é indicado para tratamento de taquicardia paroxística supraventricular.

Contraindicação do Deslanosídeo

Deslanosídeo (substância ativa) não deve ser usado por pacientes com hipersensibilidade ao Deslanosídeo (substância ativa) ou aos demais componentes de fórmula.

Deslanosídeo (substância ativa) não deve ser utilizado nos seguintes casos

  • Bloqueio atrioventricular completo;
  • Bloqueio atrioventricular de 2° grau (especialmente 2:1); 
  • Parada sinusal; 
  • Bradicardia sinusal excessiva.

Como usar o Deslanosídeo

Analogamente a todos glicosídeos cardíacos, a posologia deve ser cuidadosamente adaptada ás necessidades individuais do paciente. As injeções por via endovenosa devem ser administradas vagarosamente. 

Adultos 

Digitalização rápida (24 horas) em casos de urgência

EV ou IM

0,8 – 1,6 mg = 4 – 8 mL = 2 – 4 ampolas (em 1 – 4 doses fracionadas).

Digitalização lenta (3 – 5 dias)

EV ou IM

0,6 – 0,8 mg diariamente = 3 – 4 mL = 1 ½ 2 ampolas (pode ser fracionada).

Terapia de manutenção

Dose diária média + variação nas doses
IM (EV é possível):

0,4 mg (0,2 0,6 mg) = 2 mL (1 – 3 mL = ½ a 1 ½ ampolas). 

Dosagem máxima

A dose de 2 mg/dia não deve ser excedida. 

Crianças 

Crianças, e especialmente as pequenas (lactentes), requerem de modo geral doses maiores que os adultos, em relação ao peso corpóreo. Todavia existem diferenças consideráveis entre os pacientes, e a seguinte dose é fornecida para orientação.

Digitalização rápida (24 horas) em casos de urgência

EV ou IM

0,02 – 0,04 mg/kg diariamente em 1 – 3 doses fracionadas.

Casos especiais 

Na presença de cor pulmonale crônico, insuficiência coronariana, distúrbios eletrolíticos, insuficiência renal ou hepática, a posologia deve ser reduzida. Isso implica em um ajuste cuidadoso da posologia também em paciente idosos, nos quais uma ou mais destas doenças podem estar presentes. Apesar de insuficiência renal nestes pacientes, o nível sérico de creatinina pode ser normal, devido a massa muscular reduzida e a baixa produção de creatinina. 

Como na insuficiência renal a farmacocinética pode ser alterada, o ajuste da posologia deve ser feito através da dosagem dos níveis séricos da digoxina.

Quando isto não for possível, os seguintes conselhos podem ser úteis

De modo geral a dose deve ser reduzida para cerca da mesma porcentagem que a redução no clearance (depuração) de creatinina.

Caso o clearance (depuração) de creatinina não tenha sido determinado, pode ser estimado em homens pela determinação da concentração de creatinina sérica (Ser), aplicando-se a fórmula (140 – idade) / Ser. Para mulheres, o resultado deve ser multiplicado por 0,85. Na insuficiência renal grave o nível sérico de digoxina deve ser determinado a intervalos de cerca de 2 semanas, ao menos durante o período inicial do tratamento.

Reações Adversas do Deslanosídeo

Os eventos adversos associados ao tratamento com Deslanosídeo (substância ativa) podem ser os seguintes

25% dos pacientes hospitalizados que recebem digitálicos apresentam algum sinal de intoxicação digitálica (sintomas que podem ocorrer com doses terapêuticas do medicamento, tais como anorexia, náusea e vômitos, visão embaçada e desorientação sendo a arritmia cardíaca a manifestação mais importante e comum). A intoxicação digitálica ocorre devido à administração concomitante de diuréticos que levam a diminuição dos níveis de potássio. 

Os efeitos colaterais mais frequentes, especialmente após os primeiros sintomas da dosagem excessiva, são

Distúrbios do sistema nervoso central e gastrintestinais

Anorexia, náusea, vômito, fraqueza, dor de cabeça, apatia e diarreia.

Em raras ocasiões, especialmente em pacientes arterioscleróticos idosos

Confusão, desorientação, afasia e distúrbios visuais, incluindo cromatopsia, sudorese fria, convulsões, síncope e morte. 

Distúrbios da frequência cardíaca, condução e ritmo

Bradicardia acentuada e parada cardíaca no eletrocardiograma, rebaixamento do segmento ST com inversão pré-terminal da onda T. As reações cutâneas alérgicas (prurido, urticária, erupções maculares) e ginecomastia ocorrem muito raramente. 

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária - NOTIVISA ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Interação Medicamentosa do Deslanosídeo

Os digitálicos podem interagir com o cálcio, medicamentos psicotrópicos, incluindo o lítio e medicamentos simpatomiméticos, e essa interação pode aumentar o risco de arritmias cardíacas. Portanto, estes medicamentos devem ser administrados com cautela. Em casos de medicação concomitante, a dose de glicosídeos cardíacos deve ser reduzida. 

digoxina, um digitálico semelhante ao Deslanosídeo (substância ativa), também pode interagir com quinidina, antagonistas de cálcio, amiodaronaespironolactona e triantereno, levando a um aumento na concentração da digoxina. 

Os antibióticos, como a eritromicina e a tetraciclina, podem, indiretamente, causar um aumento na concentração, alterando a flora intestinal e, desta forma, interferindo no metabolismo do medicamento.

Os diuréticos depletores de potássio, corticosteroides e a anfotericina B podem contribuir para a intoxicação digitálica, interferindo no balanço eletrolítico, como hipopotassemia. 

Também pode haver interação com a espironolactona, que pode influenciar na concentração de digoxina, alterando resultados de avaliação de digoxina; portanto, os mesmos devem ser interpretados com cautela.

Precauções do Deslanosídeo

Durante o tratamento com essa classe de medicamento, os digitálicos, o paciente deve ser mantido sob controle, a fim de evitar efeitos secundários devido a uma dosagem excessiva. 

Não se deve administrar cálcio por via parenteral a pacientes que utilizem esse tipo de medicamento. 

Na presença de cor pulmonale crônico, insuficiência coronariana, distúrbios eletrolíticos, insuficiência renal ou hepática, a posologia deve ser reduzida. Isto implica em um ajuste cuidadoso da posologia também em pacientes idosos, nos quais uma ou mais destas doenças podem estar presentes. 

Durante o tratamento com digitálicos o paciente deve ser mantido sob controle, a fim de evitar efeitos secundários devido a uma dosagem excessiva. 

Gravidez e lactação 

Estudos demonstraram que o Deslanosídeo (substância ativa) exerce efeitos teratogênico em animais, entretanto não existe estudo controlado em mulheres. 

Informe ao seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término. Informe ao seu médico se esta amamentando. 

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista. 

Pacientes idosos 

Para pacientes idosos, em casos de incidência de cor pulmonale crônico, insuficiência coronariana, distúrbios eletrolíticos, insuficiência renal ou hepática, um ajuste cuidadoso da posologia deve ser realizado. O nível sérico de creatinina pode ser normal, mesmo nestes pacientes com insuficiência renal, devido a massa muscular reduzida e a baixa produção de creatinina.

Ação do Deslanosídeo

Resultados de eficácia

O Deslanosídeo (substância ativa) tem sido capaz de tratar arritmias, como fibrilação atrial, flutter atrial, taquicardia atrial paroxística e insuficiência cardíaca congestiva. O Deslanosídeo (substância ativa) é semelhante à digoxina, mas tem início de ação ligeiramente mais rápido e pode ser mais vantajoso do que a digoxina para digitalização de emergência. No entanto, digoxina está disponível tanto em formas orais quanto parenterais e sendo equivalente ao Deslanosídeo (substância ativa) em todos os outros parâmetros farmacodinâmicos. 

O Deslanosídeo (substância ativa) não oferece vantagens significativas em relação à digoxina. 

O Deslanosídeo (substância ativa) é um glicosídeo cardíaco com as mesmas ações farmacológicas da digoxina. Todos os digitálicos afetam o coração, aumentando a força de contração do miocárdio, aumentando o período refratário do nódulo atrioventricular e alterando o nó sinoatrial através do sistema nervoso simpático e do parassimpático.

Arritmias cardíacas 

O Deslanosídeo (substância ativa) é administrado por via endovenosa para o tratamento de arritmias, incluindo fibrilação auricular, palpitação auricular e taquicardia auricular paroxística. Não está indicado em taquicardia ou sístoles prematuras na ausência de insuficiência cardíaca. 

É eficaz para tratar a fibrilação atrial, flutter atrial e taquicardia atrial paroxística. A dose habitual de Deslanosídeo (substância ativa) é de 1,6 mg (8 mL) administrados por via endovenosa numa dose única ou duas doses 4 mL (0,8 mg) injetados 4 a 12 horas de intervalo. Após a digitalização parenteral foi estabelecida a terapia de manutenção com um glicosídeo cardíaco por via oral devendo começar dentro de 12 horas. 

Insuficiência cardíaca congestiva 

O Deslanosídeo (substância ativa) é utilizado para a insuficiência cardíaca congestiva com a administração através de injeção endovenosa ou intramuscular. 

O Deslanosídeo (substância ativa) tem sido eficaz no tratamento da insuficiência cardíaca congestiva. Ambas as falhas ventricular direita e esquerda ou uma combinação das duas, tem respondido à terapia com Deslanosídeo (substância ativa). A dose habitual de Deslanosídeo (substância ativa) é de 1,6 mg (8 mL) administrados por via endovenosa numa dose única ou duas doses 4 mL (0,8 mg) injetados com intervalo de 4 a 12 horas.

O Deslanosídeo (substância ativa) pode também ser administrados por via intramuscular em duas porções separadas de 0,8 mg (4 mL) injetados em dois sítios diferentes. Após a digitalização parenteral foi estabelecida a terapia de manutenção com um glicosídeo cardíaco por via oral, devendo começar dentro de 12 horas.

O Deslanosídeo (substância ativa) foi eficaz para tratar a insuficiência cardíaca congestiva secundária a um caso de doença de descompressão. Um homem de 32 anos desenvolveu as curvas descompensadas enquanto trabalhava em um esgoto sob pressão. O Deslanosídeo (substância ativa) 0,8 mg e 0,4 mg foram administrados por via endovenosa pelo salva-vidas. Digitalização de manutenção foi realizada com a digoxina até aproximadamente semana antes da alta do paciente.

Doença cardíaca 

O Deslanosídeo (substância ativa) tem eficácia semelhante a da digoxina para o tratamento de várias arritmias e insuficiência cardíaca congestiva. Para digitalização de emergência Deslanosídeo (substância ativa) tem um início de ação um pouco mais rápido e pode ser mais vantajoso que a digoxina. No entanto, digoxina é fornecido em tanto em forma oral quanto parenteral e é equivalente a Deslanosídeo (substância ativa) em todos os outros fatores farmacodinâmicos.

Características Farmacológicas

Propriedades farmacodinâmicas 

O Deslanosídeo (substância ativa) é um dos glicosídeos naturais da Digitalis lanata; aumenta a contratilidade cardíaca, diminui a frequência cardíaca (pela prolongação do período refratário do nódulo AV) e alivia a sintomatologia clínica da insuficiência cardíaca (congestão venosa, edemaperiférico, etc.). 

Propriedades farmacocinéticas 

A ação terapêutica começa entre 5 - 30 minutos após injeção endovenosa e o efeito máximo é obtido em 2 - 4 horas. 

A absorção gastrintestinal é da ordem de 60% - 75%. O volume de distribuição é de cerca de 4,5 L/kg (variação 2,0 - 8,1), e a ligação à proteínas é de 25%. A meia-vida de eliminação é de cerca de 40 horas. 

Um dos principais metabólitos é a digoxina. 50% da dose administrada são excretados pelos rins, principalmente na forma de lanatosídio C.



Assine nossa newsletter e receba as melhores promoções e ofertas de sua região




SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, PROCURE ORIENTAÇÃO DO FARMACÊUTICO OU DE SEU MÉDICO. LEIA A BULA.



Todas as informações contidas nesse site tem a intenção de informar e educar, não pretendendo de forma alguma substituir as informações e orientações do profissional da saúde ou servir como recomendação para algum tratamento, não administre qualquer tipo de medicamento sem consultar o seu médico ou farmacêutico.