citostal


RESULTADOS: 10

  •     SINGULAR MEDICAMENTOS ESPECIAIS
  •      CITOSTAL
  •      Apresentação: 10 MG CAP GEL DURA CT FR VD AMB X 5
  •      Princípio Ativo: LOMUSTINA...
  •      Fabricante: BRISTOL-MYERS SQUIBB FARMACÊUTICA LTDA
  •      Categoria: Referência
  •      EAN:  7896016800856
     
    PMC: 37.55
  •      R$ 30.47
     
  •     AGILLE MEDICAMENTOS
  •      CITOSTAL
  •      Apresentação: 10 MG CAP GEL DURA CT FR VD AMB X 5
  •      Princípio Ativo: LOMUSTINA...
  •      Fabricante: BRISTOL-MYERS SQUIBB FARMACÊUTICA LTDA
  •      Categoria: Referência
  •      EAN:  7896016800856
     
    PMC: 37.55
  •      R$ 30.70
     
  •     FARMA DELIVERY
  •      CITOSTAL
  •      Apresentação: 10 MG CAP GEL DURA CT FR VD AMB X 5
  •      Princípio Ativo: LOMUSTINA...
  •      Fabricante: BRISTOL-MYERS SQUIBB FARMACÊUTICA LTDA
  •      Categoria: Referência
  •      EAN:  7896016800856
     
    PMC: 37.55
  •      R$ 33.19
     
  •     ONCOEXPRESS
  •      CITOSTAL
  •      Apresentação: 10 MG CAP GEL DURA CT FR VD AMB X 5
  •      Princípio Ativo: LOMUSTINA...
  •      Fabricante: BRISTOL-MYERS SQUIBB FARMACÊUTICA LTDA
  •      Categoria: Referência
  •      EAN:  7896016800856
     
    PMC: 37.55
  •      R$ 37.50
     
  •     SINGULAR MEDICAMENTOS ESPECIAIS
  •      CITOSTAL
  •      Apresentação: 40 MG CAP GEL DURA CT FR VD AMB X 5
  •      Princípio Ativo: LOMUSTINA...
  •      Fabricante: BRISTOL-MYERS SQUIBB FARMACÊUTICA LTDA
  •      Categoria: Referência
  •      EAN:  7896016800863
     
    PMC: 117.98
  •      R$ 92.00
     
  •     LIFE MEDICAMENTOS
  •      CITOSTAL
  •      Apresentação: 40 MG CAP GEL DURA CT FR VD AMB X 5
  •      Princípio Ativo: LOMUSTINA...
  •      Fabricante: BRISTOL-MYERS SQUIBB FARMACÊUTICA LTDA
  •      Categoria: Referência
  •      EAN:  7896016800863
     
    PMC: 117.98
  •      R$ 94.20
     
  •     FARMA DELIVERY
  •      CITOSTAL
  •      Apresentação: 40 MG CAP GEL DURA CT FR VD AMB X 5
  •      Princípio Ativo: LOMUSTINA...
  •      Fabricante: BRISTOL-MYERS SQUIBB FARMACÊUTICA LTDA
  •      Categoria: Referência
  •      EAN:  7896016800863
     
    PMC: 117.98
  •      R$ 104.26
     
  •     AGILLE MEDICAMENTOS
  •      CITOSTAL
  •      Apresentação: 40 MG CAP GEL DURA CT FR VD AMB X 5
  •      Princípio Ativo: LOMUSTINA...
  •      Fabricante: BRISTOL-MYERS SQUIBB FARMACÊUTICA LTDA
  •      Categoria: Referência
  •      EAN:  7896016800863
     
    PMC: 117.98
  •      R$ 110.00
     
  •     ONCOEXPRESS
  •      CITOSTAL
  •      Apresentação: 40 MG CAP GEL DURA CT FR VD AMB X 5
  •      Princípio Ativo: LOMUSTINA...
  •      Fabricante: BRISTOL-MYERS SQUIBB FARMACÊUTICA LTDA
  •      Categoria: Referência
  •      EAN:  7896016800863
     
    PMC: 117.98
  •      R$ 118.00
     
  •     FARMACLASS DELIVERY
  •      CITOSTAL
  •      Apresentação: 40 MG CAP GEL DURA CT FR VD AMB X 5
  •      Princípio Ativo: LOMUSTINA...
  •      Fabricante: BRISTOL-MYERS SQUIBB FARMACÊUTICA LTDA
  •      Categoria: Referência
  •      EAN:  7896016800863
     
    PMC: 117.98
  •      R$ 122.00
     



 INFORMAÇÕES DO MEDICAMENTO


LOMUSTINA


Para que serve o Lomustina

Lomustina (substância ativa) é indicado como terapia paliativa (tratamento para aliviar os sintomas provenientes da doença) em associação com outras modalidades de tratamento ou em combinações estabelecidas com outros agentes quimioterápicos aprovados nas seguintes doenças:

Tumores cerebrais1

Ambos primários e metastáticos (doença em um local distante daquele onde ela surgiu primeiro), em pacientes que já tenham recebido tratamento cirúrgico e/ou radioterápico apropriado.

Doença de Hodgkin2

Como terapia secundária, em combinação com outros medicamentos aprovados, em pacientes que apresentem recidivas durante o primeiro tratamento ou quando este houver falhado.

1CID C71 - Neoplasia maligna do encéfalo.
1CID C79.3 – Neoplasia maligna secundária do encéfalo e das meninges cerebrais.
2CID C81 - Doença de Hodgkin.

Contraindicação do Lomustina

Lomustina (substância ativa) não deve ser administrado a indivíduos que tenham demonstrado hipersensibilidade prévia a este fármaco ou a qualquer componente da formulação.

Como usar o Lomustina

A dose recomendada de Lomustina (substância ativa) em adultos e pacientes pediátricos é de 130mg/m2 por via oral como dose única a cada 6 semanas. Em indivíduos com função medular comprometida, a dose deve ser reduzida a 100mg/m2 a cada 6 semanas.

Não deve ser administrado outro ciclo de tratamento até que ocorra a recuperação medular em níveis aceitáveis (plaquetas > 100.000/mm3; leucócitos > 4.000/mm3). O hemograma deve ser monitorizado semanalmente, e outros ciclos não devem ser repetidos antes de 6 semanas, porque a toxicidade hematológica é retardada e cumulativa.

Doses subsequentes à dose inicial devem ser ajustadas de acordo com a resposta hematológica do paciente à dose precedente. O seguinte esquema é sugerido como guia para o ajuste da dose a ser administrada:

Nadir após dose anterior Porcentagem da dose
Leucócitos (/mm3) Plaquetas (/mm3) Anterior a ser administrada
≥4.000 ≥100.000 100%
3.000 - 3.999 75.000 - 99.999 100%
2.000 - 2.999 25.000 - 74.999 70%
< 2.000 < 25.000 50%

Quando Lomustina (substância ativa) for usado em combinação com medicamentos mielosupressores, as doses devem ser ajustadas de acordo.

Lomustina (substância ativa) deve ser administrado por profissionais qualificados com experiência no uso de agentes antineoplásicos.

Instruções para uso, manuseio e descarte

Somente o número apropriado de cápsulas de Lomustina (substância ativa) requerido para a administração de uma única dose deve ser dispensado. Os pacientes devem ser avisados que Lomustina (substância ativa) é tomado em uma dose oral única e não será repetido por pelo menos 6 semanas.

Devem ser considerados os procedimentos quanto à manipulação e ao descarte adequados dos medicamentos antineoplásicos. Já foram publicados vários guias sobre este assunto. Não há um acordo geral de que todos os procedimentos recomendados nesses guias sejam necessários ou apropriados.

Para minimizar o risco de exposição dermatológica, sempre utilize luvas impermeáveis para manipular os frascos contendo Lomustina (substância ativa) cápsulas de 10mg ou 40mg. Isto inclui todas as atividades de manuseio em clínicas, farmácias, estoques e cuidados domésticos, incluindo a abertura da embalagem e inspeção, transporte dentro de uma instalação e preparação da dose e administração.

Para segurança e eficácia desta apresentação, Lomustina (substância ativa) não deve ser administrado por vias não recomendadas. A administração deve ser somente pela via oral.

Reações Adversas do Lomustina

Gastrintestinal

Náuseas e vômitos podem ocorrer cerca de 3 a 6 horas após uma dose oral e geralmente persistem menos de 24 horas. A frequência e a duração desses efeitos podem ser reduzidas pela administração de antieméticos previamente à dose e pela administração de Lomustina (substância ativa) a pacientes em jejum.

Toxicidade Hematológica

A toxicidade mais frequente e grave de Lomustina (substância ativa) é a mielossupressão retardada. Ocorre geralmente de 4 a 6 semanas após a administração do medicamento e está relacionada à dose.

Trombocitopenia ocorre cerca de 4 semanas após a administração e persiste por 1 ou 2 semanas. Leucopenia ocorre de 5 a 6 semanas após uma dose de Lomustina (substância ativa) e persiste por 1 ou 2 semanas.

Aproximadamente 65% dos pacientes recebendo 130mg/m2apresentam leucopenia abaixo de 5.000 leucócitos/mm3 e 36% apresentam leucopenia abaixo de 3.000 leucócitos/mm3. A trombocitopenia é geralmente mais grave que a leucopenia. Entretanto, ambos podem ter toxicidades dose-limitantes. Lomustina (substância ativa) pode produzir mielossupressão cumulativa, manifestada através de índices mais diminuídos, ou por supressão mais prolongada após doses repetidas.

A ocorrência de leucemia aguda e displasias medulares têm sido relatada em pacientes sob tratamento prolongado com nitrosureias.

Anemia também ocorre, porém é menos frequente e menos grave que a trombocitopenia ou a leucopenia.

Toxicidade Pulmonar

A toxicidade pulmonar caracterizada por infiltrados pulmonares e/ou fibrose tem sido raramente relatada com o uso de Lomustina (substância ativa).

O início da toxicidade ocorreu após um intervalo de seis meses ou mais desde o início do tratamento com doses cumulativas de Lomustina (substância ativa) geralmente maiores que 1.100mg/m2. Há um relato de toxicidade pulmonar com uma dose cumulativa de somente 600mg.

Fibrose pulmonar de início retardado ocorrendo até 20 anos após o tratamento tem sido relatada em pacientes com tumores intracranianos que receberam nitrosureias relacionadas durante a infância e o início da adolescência.

Outras Toxicidades

Têm sido raramente relatadas estomatitealopecia, anemia, atrofia ótica e distúrbios visuais, como perda de visão.

Reações neurológicas como desorientação, letargia, ataxia e disartria têm sido observadas em alguns pacientes recebendo Lomustina (substância ativa). Entretanto, não está esclarecida a relação com a medicação nesses pacientes.

Nefrotoxicidade

Anormalidades renais consistindo de redução do tamanho dos rins, azotemia progressiva e falência renal têm sido relatadas em pacientes que recebem altas doses cumulativas após terapia prolongada com Lomustina (substância ativa) e nitrosureias relacionadas. Ocasionalmente, também têm sido relatados casos de danos renais em pacientes recebendo doses totais inferiores.

Hepatotoxicidade

Um tipo reversível de toxicidade hepática, manifestada pelo aumento dos níveis de transaminase, fosfatase alcalina e bilirrubina tem sido relatada em uma pequena porcentagem de pacientes recebendo Lomustina (substância ativa).

A lista abaixo é apresentada por sistema de classe de órgãos e frequência, conforme as categorias:

  • Muito comum (≥1/10);
  • Comum (≥1/100,<1/10);
  • Incomum (≥1/1000, <1/100);
  • Raro (≥1/10000, <1/1000);
  • Muito raro (<1/10000);
  • Não conhecida (não pode ser definida com base nos dados disponíveis).

As frequências dos eventos adversos relatados durante a experiência de pós-comercialização não podem ser definidas uma vez que são obtidos de relatos espontâneos.

Eventos adversos relatados durante a fase clínica e a experiência de pós-comercialização

Sistema de classe de órgão Frequência Eventos adversos
Neoplasias benignas, malignas (incluindo cistos e pólipos) Não conhecida Leucemia aguda, síndrome mielodisplásica.
Distúrbios sanguíneos e do sistema linfático Muito comum Leucopenia.
Não conhecida Falência da medula óssea, trombocitopenia, anemia.
Distúrbios do sistema nervoso Não conhecida Coordenação anormal, desorientação, letargia, disartria.
Distúrbios respiratórios, torácicos e mediastinais Não conhecida Fibrose pulmonar, infiltração pulmona.
Distúrbios gastrintestinais Não conhecida Náusea, vômito, estomatite.
Distúrbios hepatobiliares Não conhecida Aumento das transaminases, aumento da bilirrubina no sangue.
Distúrbios da pele e tecido subcutâneo Não conhecida Alopecia.
Distúrbio renal e urinário Não conhecida Falência renal, azotemia, atrofia renal, lesão renal.
Investigações Não conhecida Aumento da fosfatase alcalina no sangue.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária - NOTIVISA, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou para Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

 

 



Assine nossa newsletter e receba as melhores promoções e ofertas de sua região




SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, PROCURE ORIENTAÇÃO DO FARMACÊUTICO OU DE SEU MÉDICO. LEIA A BULA.



Todas as informações contidas nesse site tem a intenção de informar e educar, não pretendendo de forma alguma substituir as informações e orientações do profissional da saúde ou servir como recomendação para algum tratamento, não administre qualquer tipo de medicamento sem consultar o seu médico ou farmacêutico.